Constantino: Boa parte da América Latina está voltando a flertar com o radicalismo de esquerda

Neste domingo, o Chile aprovou a elaboração de uma nova Constituição para o país

  • Por Jovem Pan
  • 26/10/2020 09h24 - Atualizado em 26/10/2020 09h25
EFE/ Alberto ValdesPlebiscito no Chile

Na noite deste domingo, 25, o Chile aprovou, em plebiscito, a elaboração de uma nova Constituição para o país após um ano de protestos. A Constituição anterior foi feita na época do ditador Augusto Pinochet. Sobre a decisão da população chilena, Rodrigo Constantino disse que a situação é muito preocupante. “Boa parta da América Latina está voltando a flertar com a radicalismo de esquerda. A Argentina já vai para o caminho do abismo, a Venezuela já afundou de vez, Agora, a gente está vendo o Chile sob uma espécie de pressão, de chantagem nas ruas por conta de uma turma radical que incendiou o país.”

O comentarista ainda lamenta a escolha. “Esses radicais estão conseguindo colher frutos nas urnas, e isso é preocupante, porque eles querem se vingar de uma Constituição que veio como legado de uma era obviamente autoritária, repressiva, que foi a era Pinochet, mas que inegavelmente deixou uma economia muito mais livre, uma Constituição até liberal e isso foi causa do sucesso chileno. O Chile é o país que mais despontou em termos de desenvolvimento econômico, IDH na América Latina, e agora tá flertando com esse tipo de caminho mais populista. Se esse for essa a escolha do Chile, que pena”, finaliza.