Thais Oyama: Moro deixa claro que saiu do governo porque Bolsonaro queria controlar a PF

  • Por Jovem Pan
  • 24/04/2020 12h05 - Atualizado em 24/04/2020 12h08
Alan Santos/PRSergio Moro pede demissão do Ministério da Justiça e Segurança Pública

“Ministro Moro, um dos principais pilares do governo Bolsonaro, saiu do poder. E saiu deixando claro que tomou a decisão por um motivo: o presidente queria controlar a Polícia Federal e ele não aceitou. Ele foi claríssimo, o discurso foi muito duro, ele não escondeu nada.

Me chamou a atenção a frase que ele disse que o presidente pediu mais uma vez que queria ter na Polícia Feral alguém que ele pudesse ter contato pessoal, para que ele pudesse ligar e colher informações de relatórios de inteligencia e de investigações em andamento. Isso é gravíssimo.

É uma acusação, porque isso é uma extrapolação de poderes e direitos do presidente.  E Moro foi além: ele disse que o presidente falou que tinha preocupação com inquéritos correntes do STF e queria ter acesso a ele.

Bom, são acusações bastante graves. E isso faz com que a gente tenha uma certeza: a saída do ministro Sergio Moro, e o modo que ele saiu, não vão sair baratos para o presidente da República.

Antes disso, Moro assumiu o cargo como a personificação da promessa de campanha de Jair Bolsonaro. Ele era garantia de que o governo Bolsonaro seria diferente dos outros. Não ia tolerar corrupção nem dentro do governo e nem fora.

A saída dele tem a mesma simbologia, mas com o sinal invertido. Pior, a ideia do desembarque de moro ganha outro reforço: a aproximação recente de Bolsonaro com lideranças fisiológicas do centrão. O presidente que atacava a velha politica agora está enamorando a nata dela. Deputados, inclusive, investigados na lava Jato e que nunca suportaram Moro.

Está claro: a saída de Moro se deu porque Bolsonaro queria para ele o comando e o controle da PF. Não foi por outro motivo. A mesma Polícia Federal que investiga os filhos dele.

Essa tentativa de controlar a PF — que não aconteceu nem com Dilma, Lula ou Temer — isso vai ter troco. Segundo Moro, a PF vai resistir a qualquer interferência politica do presidente.

A corporação tem autoestima e imagem a preservar. Então acho que o ministro está certo, não vai ser tao fácil para Jair Bolsonaro. Internamente, podemos falar que os generais do Palácio estão muito desanimados, o clima está péssimo.”