Governo tenta fechar as contas e não descarta elevação dos juros, de acordo com ministro

  • Por Jovem Pan
  • 05/07/2016 18h17
Brasília - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, fala durante reunião com o presidente interino Michel Temer e líderes empresariais de vários setores produtivos, no Palácio do Planalto (José Cruz/Agência Brasil)Henrique Meirelles

Continua a expectativa em relação à proposta orçamentária que o governo deverá apresentar para o próximo ano. Se fala na possibilidade de um rombo da ordem de R$ 150 bilhões, mas o governo ainda tenta fechar as contas e agora não descarta, sequer, a possibilidade de alguma elevação dos juros como admitiu, de certa forma, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

Desde o início, logo que tomou posse, ele considerou essa possibilidade, mas não no curto prazo. O que se percebe é que há uma dificuldade enorme do governo tentar viabilizar mesmo uma trajetória mais positiva para as contas públicas.

Tem ocorrido um corte importante dos gastos, e isso já vem desde à presidente Dilma, naquelas áreas em que o governo pode manobrar de alguma forma. Não no período das pedaladas fiscais, mas na fase mais recente, especialmente após a participação de Joaquim Levy implementar uma austeridade maior na gestão das finanças. Mesmo assim houve a queda de arrecadação, e a margem de manobra do governo é muito restrita.

Fica a expectativa de aprovação das medidas já propostas pelo novo governo de Michel Temer, aquela limitação da ampliação de gastos com base na inflação do ano anterior e a reforma da Previdência, que ele ainda deverá apresentar a proposta. Mas isso vai depender muito da boa vontade da negociação com o Congresso e uma aprovação que não será por uma maioria simples.

Confira no áudio acima o comentário completo sobre a economia de Denise Campos de Toledo.