Mais uma surpresa nas prévias do primeiro turno na França

  • Por Caio Blinder/Jovem Pan Nova Iorque
  • 22/11/2016 07h54
LPN001. Paris (France), 20/11/2016.- Former French Prime minister and candidate for the French right-wing presidential primary Francois Fillon (R) leaves his campaign headquarters after first round of the rightwing presidential primary, in Paris, France, 20 November 2016. Francois Fillon took a commanding lead in the two-round primary that is widely expected to decide the country's next leader. The second round will be held on 27 November 2016. Voters are choosing between France's seven centre-right presidential candidates. The next French Presidential elections will take place on 23 April and 07 May 2017. (Elecciones, Francia) EFE/EPA/JEREMY LEMPINFrancois Fillon EFE

Em um ano de tantas surpresas eleitorais, mais uma está em marcha. Vamos ver se haverá confirmação. François Fillon triunfou domingo no primeiro turno das primárias dos Republicanos. Isso mesmo, este é o partido da centro-direita francesa. Fillon derrotou os suspeitos habituais Nicolas Sarkozy (ex-presidente) e Alain Juppé (ex-primeiro-ministro). Ele agora está a um passo da consagração como candidato presidencial para as eleições do ano que vem, ao disputar no segundo turno contra Juppé no próximo domingo.

Voto contra as elites? Mais complicado. Fillon também integra la elite e foi primeiro-ministro de Sarkozy. Na verdade, seu inesperado triunfo foi um desafio contra o sentimento populista que prevalece nos dois lados do Atlântico. Fillon representa uma direita tradicional inspirada em Margaret Thatcher, com promessas de uma revolução do livre mercado (mon Dieu, na França dirigista).

O liberalismo de Fillon é na economia. Na frente social, sua plataforma é caretona (ele, por exemplo, é contrário ao casamento gay). No seu tripé, política externa me preoupa extremamente. Fillon tem palavras camaradas para Vladimir Putin. É favorável ao fim das sanções europeias contra a Rússia por sua agressão na Ucrânia e defende uma espécie de cruzada na Síria ao lado dos russos contra o terror islâmico, segurando a barra do genocida Bashar Assad em nome da proteção da minoria cristã.

O essencial para o eleitor, porém, está na economia. Fillon quer fazer reformas radicais, enxugando o estado. Ele se apresenta como um escudo tanto contra o centro (este foi o lance de Juppé) como a extrema direita, que vai à luta no ano que vem com a Frente Nacional de Marine Le Pen. Sarkozy (que vai apoiar Fillon no segundo turno) fez campanha, ecoando a extrema direita, com temas de identidade imigração e a ameaça islâmica. Fillon diz que “seu programa é um antídoto para os populismos e os extremismos”.

Obviamente, é prudente adicionar uma dose de incerteza na eleição em 2017. As chances de Juppé são muito pequenas no próximo domingo, mas ele seria um candidato plenamente aceitável para eleitores independentes e de uma esquerda desmoralizada, num voto útil contra Marine Le Pen, como aconteceu em 2002 na vitória do conservador Jacques Chirac contra o infame pai de Marine, o antissemita Jean Marie Le Pen.

Com o mais conservador Fillon à frente da direita tradicional, nomes independentes como François Bayrou e Emmanuel Macron, podem despontar. No entanto, por ora, o cenário mais provável em 2017 é Fillon contra Marine Le Pen.

Resta saber se a esquerda e moderados irão tapar o nariz com a intensidade necessária, votando em Fillon, para impedir a vitória da extrema direita.