Pingo Final: Tudo o mais constante, o tucano João Doria se elege prefeito de SP

  • Por Reinaldo Azevedo/Jovem Pan
  • 23/09/2016 10h11

Na decisão do dia 10 de setembroJoão Doria - Rep Facebook

Vamos ser claros? Considerados os números do tucano João Doria, em São Paulo, o que se anuncia pela frente é a sua vitória, tudo o mais constante na campanha de seus adversários. Por quê?

No Datafolha de agosto, ele tinha 5% das intenções de voto; agora, aparece com 25%, uma oscilação de 20 pontos positivos. Da pesquisa de agosto para a primeira de setembro, cresceu 11 pontos; dessa para a de agora, outros 9%.

Celso Russomanno (PRB) está em trajetória inversa. Em agosto, ele aparecia com 31%. Aí caiu para 26% no primeiro levantamento deste mês; desta feita, vem com 22%. Nove pontos a menos em um mês: é claro que está em queda. A questão é saber se pode cair ainda mais. Acho que sim.

A incógnita é Marta Suplicy, do PMDB: no seu caso, há um avanço e uma estagnação. De agosto para a primeira semana de setembro, ela saltou de 16% para 21%: cresceu. No levantamento de agora, vem com 20%. Avançou quatro pontos de um mês para o outro, enquanto Doria saltou 20.

Há a se considerar que o patamar dele era muito baixo para um tucano em São Paulo. Ainda era pouco conhecido. Ocorre que, em setembro, ele já conquistou mais nove, e ela ficou no mesmo lugar.

Repito o que escrevi aqui no dia 9 de setembro, conforme se vê abaixo: acho que tudo caminha para um segundo turno entre Marta Suplicy e João Doria. Dados os números, do segundo turno, o resultado não pode ser cravado — sempre lembrando que a ascensão dele é, sim, mais robusta do que a dela.

ELEIÇÃO SP

Vejam lá os números. Se Marta disputasse com Doria, o que se tem é um empate quase rigoroso: 42% a 41% para ela. Se com Russomanno, a diferença é, de novo, de um ponto em favor da peemedebista: 41% a 40%.

Russomanno, por sua vez, ainda aparece numericamente à frente de Doria no segundo turno, em empate técnico, mas deve ser por pouco tempo: 44% a 38%. Em relação ao levantamento anterior, o tucano avançou 10 pontos (tinha 28%), e o peerrebista caiu 8 pontos (tinha 52%). Vale dizer: em menos de duas semanas, uma variação de 18 pontos percentuais.

Vamos ser claros e objetivos: tudo o mais constante nas campanhas e dado o comportamento dos números, tudo caminha, sim, para um segundo turno entre o tucano João Doria e a peemedebista Marta Suplicy. De olho nos dados, qualquer apostador diria que o mais provável, nesse caso, é a vitória de Doria.

Insisto: esse é o prognóstico se “TUDO O MAIS FOR CONSTANTE”. As campanhas podem interferir nessa trajetória. Como se nota, o horário eleitoral na TV e no rádio mudou o cenário. Ele teve início no dia 26 do mês passado. Com menos de um mês, o quadro se alterou de forma substancial.

Erundina
Ah, sim: quando o STF decidiu que nanicos como o PSOL poderiam participar de debates se as emissoras concordassem, previ que Luiza Erundina despencaria.

eleição SP 2

Ela tinha 10% das intenções de voto. Já está com 5%. Acho que chega ao fim com 2% ou 3%. E é muito.

Erundina é uma excelente candidata desde que a gente não tenha a chance de ouvir o que ela tem a dizer.

O PSOL vai vociferar que ela despencou porque não tem acesso à TV. Errado. Ela foi ladeira abaixo porque teve acesso. A melhor arma contra um esquerdista ainda é deixá-lo falar.