Trindade: Bolsonaro não será o primeiro a atrasar um comunicado ao presidente dos Estados Unidos

Postura cautelosa também foi anteriormente adotada por outros chefes do Executivo

  • Por Jovem Pan
  • 10/11/2020 08h05 - Atualizado em 10/11/2020 09h39
GABRIELA BILó/ESTADÃO CONTEÚDOO vice-presidente Hamilton Mourão sai em defesa de Bolsonaro afirmando que o reconhecimento acontecerá "na hora certa"

O silêncio do presidente Jair Bolsonaro, assim como a demora para parabenizar Joe Biden, candidato eleito presidente nos Estados Unidos, divide opiniões de diplomatas e parlamentares. Enquanto ex-embaixadores falam em um “erro diplomático” que pode dificultar a futura relação entre os países, o vice-presidente Hamilton Mourão sai em defesa de Bolsonaro afirmando que o reconhecimento acontecerá “na hora certa“. Para o comentarista José Maria Trindade, a dúvida é quando seria o momento oportuno para a declaração e os comprimentos brasileiros ao democrata, postura já adotada por mandatários anteriores.

“A hora de se pronunciar oficialmente. Está é a dúvida e a decisão do presidente Jair Bolsonaro, que não será o primeiro presidente que atrasa um pouco este comunicado ou este apoio. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso fez o mesmo quando George Bush foi eleito presidente dos Estados Unidos. A imprensa não conta votos, a imprensa não é Tribunal Superior Eleitoral, ela apenas pega os resultados obtidos em cada região e soma, é apenas uma máquina de somar. A notícia é ‘Joe Biden é o presidente eleito nos Estados Unidos’ e a imprensa colheu os dados. Agora, se houver processos que impeçam a posse aí será outra notícia. No Brasil, Bolsonaro é alvo de cinco processos contra ele, tentativa de cassação da chapa Bolsonaro-Mourão e nem por isso houve impedimento da posse”, pontua.