À JP, José Carlos Peres diz que sofreu ‘golpe’ no Santos: ‘Nunca roubei um centavo’

Presidente afastado do Peixe concedeu entrevista exclusiva ao Esporte em Discussão; confira

  • Por Jovem Pan
  • 30/10/2020 14h33 - Atualizado em 30/10/2020 14h37
Montagem sobre fotos/Reprodução/Jovem PanJosé Carlos Peres disse nunca ter roubado o Santos

José Carlos Peres foi afastado pela presidência do Santos em 28 de setembro deste ano. A decisão foi tomada pelo Conselheiro Deliberativo, que reprovou as contas de 2019 e apontou irregularidades na gestão do mandatário – atualmente, o clube é dirigindo pelo vice-presidente Orlando Rollo. Em entrevista exclusiva ao programa Esporte em Discussão, do Grupo Jovem Pan, nesta sexta-feira, 30, Peres criticou  a forma como o processo aconteceu, disse ter sofrido um “golpe” e assegurou que nunca “roubou um centavo” do Peixe. Além disso, ele rechaçou o rótulo de “pior presidente da história do time da Vila Belmiro”.

“Eu não sou ex-presidente. Sou um presidente que foi afastado. Portanto, sou afastado. Não perdi a presidência. Estou lutando na Justiça. Houve muitas irregularidades neste afastamento, que foi político. No ano de 2019, nós tivemos R$ 23,5 milhões de lucros. Não havia motivo nenhum para essa prerrogativa, que o Conselho achou que tinha para me afastar. O Conselho Deliberativo tem 300 conselheiros e só compareceram 170, menos que 2/3 exigidos para qualquer afastamento. Segundo, esse negócio de dizer que sou o pior presidente da história é conversa da oposição. A verdade é que eu sofri um duro golpe que eles estão tentando me dar desde o dia que eu assumi”, disparou. “Eu peguei seis meses de pandemia e voltamos sem público, sem cofre… Ninguém fala como foi a dureza. Não demiti um funcionário. Outros clubes demitiram, mas nós preservamos. Não teve nenhum escândalo, nunca roubei e nunca fiz nada de errado. E não seria agora que faria isso. Não me arrependo de maneira nenhuma. Entrei de cabeça erguida e saio de cabeça erguida. Nunca peguei um centavo que fosse”, continuou Peres.

Na conversa com os comentarista do Grupo Jovem Pan, José Carlos Peres garantiu que realizou um bom trabalho à frente do Santos. “No meu entendimento, foi uma boa gestão. Fomos vice-campeões [do Campeonato Brasileiro] com o décimo maior orçamento. Fizemos investimentos, elevamos o número de atletas da base no profissional, que pagarão dívidas do clube. Domingo, contra o Fluminense, foi lançado o Ângelo, que vai trazer frutos. Então, considero uma gestão boa aquela que não aumenta a dívida”, disse. “Não me arrependo de ser presidente do Santos. Para mim, foi muito bom como ser humano. Eu saí do clube mais forte do que eu entrei. Infelizmente, já entrei com uma oposição dura. Para mim, foi a maior satisfação. Comandei bem o Santos, fiz a melhor venda da história do clube. Tenho uma história no clube. Trouxe seis títulos em dez anos. Levei o Gabigol com 10 anos para o Santos. Então, fiz muito pelo clube. O que não há nesta terra é o reconhecimento”, continuou.

À Jovem Pan, Peres ainda falou sobre o momento em que rompeu com Orlando Rollo, seu vice-presidente, que, atualmente, está à frente do clube. “O interino está dando entrevistas falando que ‘agora tem presidente’. Isso mostra o caráter que ele tem. Vice-presidente é difícil saber quem é. O nosso quis atuar desde o começo. Primeiro quando me colocaram com um impeachment em 2018, quando o Rollo sumiu para ser vice-presidente. Não fez a sua função. E ninguém fez nada. Esses vice-presidentes querem assumir, ficam rezando para você morrer. No Santos, o que aconteceu foi isso”, complementou.

Assista a entrevista na íntegra: