27 dos 53 deputados do PSL pensam em deixar partido; Bolsonaro admite possível saída

  • Por Jovem Pan
  • 14/10/2019 06h40
Flickr/Palácio do Planalto Jair Bolsonaro no Forum de Investimento Filiados estão insatisfeitos com a falta de prestação de contas da sigla

O grupo de dissidentes dos PSL quer se consolidar como maioria na bancada do partido na Câmara dos Deputados. Pelo menos 27 dos 53 deputados federais devem se unir com a intenção de deixar o partido, mas sem o risco de perder o mandato por infidelidade partidária.

Alguns acreditam que é possível levar junto até mesmo o dinheiro dos fundos partidário e eleitoral e o tempo de TV. Para isso, querem alegar justa causa para sair da legenda – seja para criar uma nova ou migrar para outra já existente.

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), configuram justa causa: incorporação ou fusão do partido, criação de uma nova legenda, mudança radical no programa partidário ou grave discriminação pessoal.

Em meio à disputa interna, o presidente Jair Bolsonaro e mais 21 parlamentares pediram acesso às contas do partido nos últimos cinco anos para fazer uma auditoria, alegando que elas sempre são apresentadas à Justiça Eleitoral de forma precária.

Um dos líderes do grupo dissidente, o deputado Bibo Nunes, fez críticas à atual direção do PSL. “É um partido que não tem suas contas de maneira clara, a pouco tempo um novo estatuto foi feito, não tem compliance, perseguições em massa agora aos meus colegas que resolveram partir para a mudança total junto ao presidente Bolsonaro”, enumerou.

Em entrevista à Jovem Pan, a advogada de Bolsonaro, Karina Kufa, que antes também defendia o PSL, disse que os deputados frequentemente reclamam de falta de transparência nas contas do partido. “Isso acabou causando uma insatisfação, porque a reclamação dos deputados, do presidente, é que eles não tem acesso a nenhuma despesa, aos gastos, não há uma prestação de contas mensal, eles não sabem nada que acontece dentro do partido. É praticamente uma caixa-preta.”

O presidente admitiu a possibilidade de sair do PSL e reforçou a posição dos parlamentares. “Eu não quero que apareça um problema no partido e, apesar de eu nem fazer parte da executiva, venha a ser responsabilizado, como maldosamente tem me responsabilizado pelo que acontece ou aconteceu em qualquer parte do Brasil envolvendo o PSL.”

Já prevendo a possibilidade de perder Bolsonaro e parte da bancada no Congresso, a direção do PSL tenta se prevenir para esvaziar o argumento dos rebeldes, além de garantir o dinheiro dos fundos partidário e eleitoral.

Além disso, dirigentes estudam atrair outras lideranças visando os próximos anos: uma delas seria o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, filiado ao PSC, que pensa em concorrer ao Planalto em 2022.

*Com informações do repórter Levy Guimarães