À Jovem Pan, Sergio Moro não garante disputa pelo Senado no Paraná

Ex-juiz também esclareceu que não tem nenhum problema de relação com o senador Álvaro Dias

  • Por Jovem Pan
  • 29/06/2022 06h57
RENATO S. CERQUEIRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO Sergio Moro

Em entrevista exclusiva à Jovem Pan Paraná, Sergio Moro (União Brasil), que lidera as pesquisas para o Senado no Estado, não confirma a disputa pelo cargo. O jurista também negou a possibilidade de mal estar entre ele e o senador Alvaro Dias. Foi o parlamentar quem articulou a entrada do ex-juiz no Podemos, legenda que Moro integrou quando iniciou sua carreira política e pela qual almejava concorrer à presidência. No entanto, neste ano o ex-ministro da Justiça mudou para o União Brasil.

Alvaro Dias já tinha dito anteriormente que uma possível disputa de Moro ao Senado não abalaria a relação entre os dois. Moro também segue a mesma linha e ainda revelou que não considera o ex-correligionário como seu padrinho político: “Não existe essa definição porque eu tenho uma carreira independente que eu construí com meus méritos individuais e, institucionalmente, não tem nenhuma relação com o Alvaro Dias”.

“Então não existe essa questão de padrinho político, tenho uma boa relação com o senador, eu respeito o senador, mas é algo bastante diferente. E não vamos dizer assim porque não está definido nem se eu vou ao Senado e tampouco está definido o senador Alvaro Dias se vai pro Senado. Claro, quem tem que falar por ele é ele. Mas, o que a gente houve é que ele não tomou essa decisão e só vai tomar essa decisão mais adiante”, detalhou o ex-juiz.

Nesta semana, a pesquisa Real Time Big Data mostrou Sergio Moro à frente de Alvaro Dias na disputa do Senado pelo Estado do Paraná. Moro aparece com 30% das intenções de voto, enquanto Dias, que estava à frente nas projeções anteriores, tem agora 23% do eleitorado. O jurista mostrou estar feliz com os números da pesquisa, disse que está encarando com humildade o resultado e ressaltou que sua candidatura ao cargo ainda não está cravada.

“Seja para o governo [do Estado], para o Senado, para deputado federal ou deputado estadual, eu quero ver em que posição eu melhor serviria à população. É claro que eu tenho minha preferência pessoal, mas vou deixar escondido aqui, vou manter o suspense”, explicou o ex-juiz.

*Com informações da repórter Camila Yunes