Acusado de estupro de vulnerável, terapeuta Tadashi Kadomoto se torna réu na Justiça de SP

A promotoria denunciou o terapeuta por cinco estupros contra a vítima; ele também responderá por lesão corporal grave causados por danos psiquiátricos

  • Por Jovem Pan
  • 13/10/2020 06h16 - Atualizado em 13/10/2020 10h10
European Parliament/Pietro Naj-OleariSegundo advogado da vítima, o "Guru da Meditação" se aproveitava da condição de idolatria para cometer abusos

Acusado de estupro de vulnerável, o terapeuta Tadashi Kadomoto se tornou réu na justiça de São Paulo. O guru foi denunciado pelo Ministério Público (MP) após o depoimento de uma ex-aluna do instituto em que ele ministra cursos e treinamentos. Kadomoto aumentou a fama e a popularidade no período de pandemia, atraindo milhares de seguidores com lives e mensagens de auto conhecimento. Além da ex-aluna, outras mulheres relataram ao fantástico, da TV Globo, que também foram assediadas pelo profissional.

O advogado da vítima que apresentou a denúncia ao MP disse que o terapeuta se aproveita da condição de idolatria para cometer os abusos. Luis Flávio Borges Durso afirma que o guru utiliza técnicas de persuasão, auto ajuda e hipnose. Segundo o advogado, além do depoimento da vítima, existem provas documentais como troca de e-mails que foram entregues ao Ministério Público. Ele conta que a cliente dele frequentava o instituto de Tadashi Kadomoto há sete anos e passou a ser assediada pelo terapeuta nos últimos dois, inclusive, num período em que estava grávida.

Pelas redes sociais, o guru negou os abusos e disse que se afastou das atividades até que tudo seja esclarecido. Tadashi Kadomoto se colocou à disposição das autoridades para os esclarecimentos necessários. A promotoria denunciou o terapeuta por cinco estupros contra a vítima e ele também responderá por lesão corporal grave causados por danos psiquiátricos. Testemunhos de outras vítimas que já tiveram o tempo de crime prescrito também estão no processo.

*Com informações do repórter Vinicius Moura