Associação Nacional dos Restaurantes apoia movimento que pede a volta do horário de verão

Segundo a entidade, que reúne as maiores redes de fast-food que atuam no país, como McDonald’s, Burguer King e Outback, a mudança no relógio seria um fomento para retomada econômica

  • Por Jovem Pan
  • 12/07/2021 05h52 - Atualizado em 12/07/2021 10h17
Saulo Angelo/Futura Press/Estadão ConteúdoSetor de serviços inclui as atividades mais prejudicadas pelo distanciamento social, como bares, restaurantes, rede hoteleira e transportes

A Associação Nacional dos Restaurantes (ANR) entrou no movimento que pede a volta do horário de verão no Brasil. A entidade conta com as maiores redes de fast-food que atuam no país, como McDonald’s, Burguer King e Outback, por exemplo. Segundo a associação, a mudança no relógio pode ajudar muitos estabelecimentos a aproveitarem por mais tempo a luz do dia para incrementarem o atendimento. A direção da ANR diz que tal medida não prejudica ninguém e seria um fomento para retomada econômica. A proposta começou com uma carta enviada ao presidente Jair Bolsonaro, no início do mês. Nessa iniciativa estão entidades ligadas ao turismo, hotelaria, bares e restaurantes. O texto enviado ao presidente lembra que, mesmo não gerando grandes reduções no consumo de energia elétrica, o horário de verão pode estimular novos hábitos de consumo. Para as entidades, o horário de verão chegou a criar aumento de 30% na geração de empregos e na arrecadação de tributos. O fim do período foi estabelecido por Bolsonaro em 2019, sendo algo anunciado desde sua campanha. Para o presidente, a medida apenas atinge o relógio biológico das pessoas. Agora, no entanto, a medida volta a ser questionada por conta da crise hídrica vivida no país.

*Com informações do repórter Fernando Martins