Brasil registrou 105 mil denúncias de violência contra a mulher em 2020

Do total, 72% se referem a violência doméstica e familiar; nos outros 28% estão descumprimentos de direitos civis e políticos

  • Por Jovem Pan
  • 08/03/2021 07h20 - Atualizado em 08/03/2021 07h52
PixabayMaioria das vítimas têm idade entre 35 a 39 anos, autodeclaradas de cor parda e com Ensino Médio completo

O Brasil registrou uma denúncia de violência contra a mulher a cada cinco minutos no ano de 2020. No total, foram 105.821 ocorrências, de acordo com os dados do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos. As denúncias podem ser feitas pelas centrais de atendimento do Disque 100 e do Ligue 180, ambos gratuitos. Do total, 72% se referem a violência doméstica e familiar contra a mulher — o que inclui ações que causem morte, lesão, sofrimento físico, abuso psicológico e sexual. Danos morais e patrimoniais também são considerados. Nos outros 28% estão descumprimentos de direitos civis e políticos, como situação análoga à escravidão, tráfico de pessoas e cárcere privado, além de violação de liberdade religiosa e acesso a direitos básicos.

A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, afirma que a pandemia da Covid-19 provocou um aumento das ocorrências. “A pandemia provocou a violência contra a mulher no mundo inteiro. Os dados dos países que passaram pelo isolamento social demonstram aumento absurdo. Tivemos que deixar dentro de casa agressor e vítima.” A maioria das vítimas de violência são mulheres com idade entre 35 a 39 anos, autodeclaradas de cor parda, com Ensino Médio completo e renda de até um salário mínimo. Entre os suspeitos, o perfil mais comum é de homem branco, também de 35 a 39 anos.

Para a ministra Damares Alves, neste Dia Internacional da Mulher, dia 8 de março, o Brasil tem muito a lamentar. “Amanhã é um dia de reflexão para nós, especialmente neste momento de pandemia. Quantas mulheres nós perdemos para a Covid? Quantos maridos amanhã não vão ter uma esposa para entregar a flor? Um filho não vai ter a mãe para abraçar no dia de mulher?” De acordo com o Ministério, não é possível fazer uma comparação dos dados de 2020 com os anos anteriores, pois houve uma mudança na metodologia. Antes, cada ligação para o Disque 100 ou para o Ligue 180 era registrada sob um protocolo, que comportava apenas uma denúncia. Agora, um mesmo protocolo pode abranger diferentes denúncias de uma mesma relação entre suspeito e vítima.

*Com informações do repórter Levy Guimarães