Bruno Covas: Eleição em SP não fez ‘revanche’ de 2018 ou ‘antecipação’ de 2022

Atual prefeito de São Paulo vai se reunir com a equipe de campanha nesta manhã para definir estratégias do 2º turno

  • Por Jovem Pan
  • 16/11/2020 09h16
ROGÉRIO GALASSE/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOBruno Covas defendeu que tem uma campanha focada da cidade de São Paulo e que não está vendendo ilusão

O atual prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas, está confiante para o segundo turno das eleições. De acordo com ele, agora é hora de buscar outras forças e, já nesta manhã, se reúne com a equipe de campanha para estabelecer as estratégias da coligação para o pleito do dia 29 contra Guilherme Boulos. “Estou muito contente e animado por essa vitória no primeiro turno não apenas em números gerais, mas em todas as zonas eleitorais da cidade. É a primeira vez que isso acontece, de um candidato ficar em primeiro lugar em todos os cantos. Vamos seguir em frente com muita força, foco e fé.”

O candidato mais votado na cidade no último domingo (15) elogiou a população por não “fazer revanche ou terceiro turno” em relação a 2018 e também não “antecipar” 2022. “Quem apostou na nacionalização dessa campanha não se deu bem.” Em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, Covas negou distanciamento do governador João Doria em sua campanha. “Essa foi uma campanha atípica por conta da pandemia. Tivemos uma restrição muito grande de quantidade de eventos em relação ao que teríamos em uma campanha. O governador precisa governar o Estado e Doria tem feito isso. Não teria sentido ele deixar isso de lado para focar na eleição municipal”, alegou. “A ação conjunta com Doria garantiu a Fórmula 1 em São Paulo e é com essa parceria que vamos atuar nos próximos anos.”

Bruno Covas defendeu que tem uma campanha focada da cidade de São Paulo e que não está vendendo ilusão — e, sim, a realidade. “Não são propostas que não são factíveis. Temos histórico de compromisso com a lei, ordem, democracia, respeito às religiões”, disse. Ele evitou falar mal ou atacar o oponente do segundo turno. “Estou aqui para falar das minhas propostas e ideias. Estamos preparados para percorrer os dois turnos. Não há alteração do que foi pensado ou planejado. Foi uma eleição difícil, com muitos candidatos, e mesmo assim fomos os mais votados.”

Sobre um possível apoio e alinhamento com o presidente Jair Bolsonaro, Covas não se mostrou animado. “Eu acho que o resultado do primeiro turno mostrou que não deu certo o presidente se intrometer por aqui. Acredito que ele tem que ficar neutro. O que vamos mostrar é o que, independente de ser centro, esquerda ou direita, foi feito com o trabalho e conquistas da cidade.” Ele citou como exemplo a melhora da situação fiscal do município e conquistas sociais como novos hospitais e mais vagas em creches. “Não estamos aqui para vender ilusão, mas para mostrar a realidade. O momento histórico que a cidade e o Brasil passam requerem alguém com experiência e capacidade para poder enfrentar esse desafio e vencer a crise econômica e social.”