Bruno Covas sanciona projeto de privatização do Anhembi

  • Por Jovem Pan
  • 05/05/2018 13h14
Agência BrasilA estimativa da Prefeitura é de que a renda da privatização seja de R$ 2 bilhões

Prefeito de São Paulo, Bruno Covas sancionou projeto de lei que autoriza a privatização do complexo do Anhembi, na região Norte da cidade.

O texto foi aprovado na quarta-feira (2) na Câmara Municipal e faz parte do pacote de desestatização prometido nas eleições em 2016. A proposta permite o aumento do potencial construtivo do terreno em 68 por cento, o que vem sendo chamado de “verticalização”.

O projeto define parâmetros urbanísticos e de uso e ocupação do solo da área do complexo, o que de acordo com a Prefeitura, foi fundamental para tornar mais atrativo aos investidores. A estimativa é de que a renda da privatização seja de R$ 2 bilhões.

O secretário de Desestatização e Parcerias, Wilson Poit, afirmou que a medida possibilita a Prefeitura investir em setores prioritários da cidade. Segundo ele, a lei permitirá que sejam feitas avaliações da área e a estruturação de um projeto para leilão na Bolsa de Valores.

A expectativa é de que o complexo que inclui o centro de convenções, pavilhões de exposição e o Sambódromo, seja vendido em agosto. Caso os futuros proprietários mantenham a finalidade de uso do local para eventos, terão um acréscimo de 20% no potencial construtivo.

Em entrevista, o prefeito Bruno Covas negou que o projeto põe fim ao Anhembi, ressaltou que a medida incentiva o investimento da área de exposições e afirmou que a privatização do Complexo do Anhembi é mais um passo para a desestatização da SPTuris, empresa municipal de turismo.

A proposta de venda foi aprovada em Câmara Municipal em dezembro e chegou a ser suspenso pelo Tribunal de Contas durante a tramitação.

Com informações da repórter Natacha Nazzaro