Câmara aprova o retorno das comissões com sessões semipresenciais

Com a decisão, os colegiados terão liberdade para decidir se as sessões serão virtuais, presenciais ou mistas

  • Por Jovem Pan
  • 12/02/2021 07h55 - Atualizado em 12/02/2021 07h58
Maryanna Oliveira/Câmara dos DeputadosOs colegiados, como a Comissão de Constituição e Justiça e o Conselho de Ética, são considerados fundamentais para o andamento da Casa

A Câmara dos Deputados aprovou o retorno das comissões com sessões semipresenciais para evitar a contaminação pelo coronavírus. Os colegiados, como a Comissão de Constituição e Justiça e o Conselho de Ética, são fundamentais para o andamento da Casa. As reformas tributária e administrativa e outras matérias polêmicas, como a PEC da seguran instância, dependem das reuniões. O vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL), que relatou a proposta de retorno das comissões, defendeu o funcionamento das atividades. “Desde ontem [quarta-feira] conseguimos aprovar toda a pauta solicitada pelo deputado Arthur Lira, pelo nosso presidente da Câmara. Com esse espírito de divergência, que é natural no parlamento, mas colaborativo e de diálogo, vamos conseguir avançar bastante aqui na Casa”, afirmou. Segundo ele, o retorno será feito respeitando os protocolos de segurança e atenção aos deputados do grupo de risco.

Gustavo Fruet (PDT) é favorável ao retorno do Conselho de Ética da Câmara. “O projeto de resolução não há nenhuma menção ao Conselho de Ética. Então, desde já, o PDT é favorável, mas vai destacar a emenda para a inclusão do Conselho de Ética na retomada dos trabalhos das comissões”, disse. O deputado sugere o sistema híbrido, com sessões presenciais e virtuais. Marcel Van Hattem (Novo) cobra a reinstalação da comissão que discute a PEC da segunda instância. “E o relato deste projeto de resolução, que restabelece o trabalho das comissões, é o deputado Marcelo Ramos, que preside a Comissão da PEC da segunda instância. Espero que ele também faça aquilo que, no ano passado, já nos ajudou a fazer.”

Durante a sessão desta quinta-feira, 11, Ivan Valente (PSOL) demonstrou preocupação com as condições sanitárias na Casa. “A contaminação é explícita. São mais de 500 pessoas no plenário e não há como conter deputados para entrar nas comissões. Fomos favoráveis ao funcionamento da Comissão de Ética no ano passado, de forma remota. O presidente é que não abriu o Conselho de Érica. Temos casos escabrosos que precisam ser julgados”, ressaltou. O deputado participou de forma remota da sessão e cobrou o uso de máscara de parlamentares que estavam no plenário. As comissões terão liberdade para decidir se as sessões serão virtuais, presenciais ou mistas.

*Com informações da repórter Kallyna Sabino