Campanha de combate ao Aedes Aegypti é lançada pelo governo federal

Conteúdos educativos lançados até o final de dezembro na TV e nas redes sociais vão pedir que população evite a proliferação do mosquito transmissor permanecendo vigilantes

  • Por Jovem Pan
  • 01/12/2021 08h18 - Atualizado em 01/12/2021 13h01
FÁBIO MOTTA/ESTADÃO CONTEÚDOCombate ao mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya deve ser diário, afirma Ministério da Saúde

Com o início do período de chuvas, o Ministério da Saúde lançou na última terça-feira, 30, a Campanha Nacional de Combate ao Aedes Aegypti. Até o final do mês de dezembro serão divulgados conteúdos educativos na TV e nas redes sociais com o objetivo de evitar a proliferação do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya. A campanha Combata o Mosquito Todo Dia: Coloque na Sua Rotina pede que os cidadãos criem o hábito de estarem sempre vigilantes aos locais que podem contribuir com a proliferação do Aedes Aegypti. De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil tem apresenta uma redução dos casos de dengue. No entanto 12 estados apresentaram aumento este ano na comparação com 2020. Os três que tiveram maiores números foram Amapá, Alagoas e o Rio Grande do Sul.

O secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros, destacou a importância do papel da população. “Para que, a partir de agora, como já tem sido feito todo esse cuidado, redobremos os nossos cuidados. Para que possamos combater o mosquito todo dia. E coloquemos este combate na nossa rotina. E é esse o nosso apelo a você, cidadão brasileiro, que neste momento precisamos do seu apoio para combatermos o mosquito e, consequentemente, erradicarmos e temos um controle das doenças”, disse. É importante lembrar de tampar as caixas d’água, manter calhas sempre limpas, deixar garrafas com a boca para baixo e limpar semanalmente os pratos de vasos de plantas. Os sintomas de dengue, chikungunya ou zika são semelhantes e inclui febre, dor de cabeça, dores no corpo e articulações, fraqueza, dor atrás dos olhos, coceira na pele, manchas vermelhas náuseas, vômitos e dores abdominais.

*Com informações da repórter Camila Yunes