Zambelli diz que não ofereceu barganha a Moro: ‘Era uma conversa entre amigos’

  • Por Jovem Pan
  • 25/04/2020 09h43
Michel Jesus/Câmara dos DeputadosCarla Zambelli disse que Moro se comportou como "menino birrento"

A deputada Carla Zambelli, em entrevista ao Jornal da Manhã deste sábado (25), explicou a conversa que teve com Sergio Moro antes do então ministro decidir deixar oficialmente o governo de Bolsonaro. O Jornal Nacional entrou em contato com Moro e obteve imagens das mensagens trocadas em que Zambelli dizia para o ex-juiz permanecer no posto até novembro, quando surgiria uma vaga no STF.

De acordo com a deputada, a conversa foi colocada “totalmente fora de contexto”. “A gente estava em conversa há algumas horas, havia pedido para ele ficar, todo mundo sabe e ele já falou em várias entrevistas que sempre que perguntam do STF (..) ele sempre deixou em aberto e muito claro que teria interesse.”

Ela garantiu que se tratou de “uma conversa entre amigos”. “Tem coisas mal explicadas, sendo bastante humilde, não tenho nenhum cargo no executivo para oferecer nada para ninguém, não era barganha, não tenho tamanho pra isso.”

Zambelli ainda revelou que, em outro estágio da conversa com Moro, eles debateram sobre o nome de Alexandre Ramagem – hoje favorito ao posto de chefe da Polícia Federal deixado por Maurício Valeixo. Ramagem seria “o meio-termo” entre Moro e Bolsonaro, que amainaria a crise entre os dois. No entanto, não houve acordo.

“Talvez fosse ingenuidade, mas não faria jamais isso com ele. Ele foi meu padrinho de casamento, era mais que uma parlamentar e ministro de Estado, era uma conversa de amigos. Naquela hora que me chama de prezada, tomei tanto susto, falei Por Deus, sei que o senhor não se vende. Tenho plena e absoluta certeza que a resposta foi friamente calculada. A decisão dele já estava tomada, acho”, lamentou Zambelli.

A deputada foi além: “No momento em que a Carla Zambelli está num governo em que ele quer destruir, viro ‘prezada’, em nenhum momento ofereço dinheiro ou troca do STF. Existia uma conversa, um argumento, que teve antes e depois, para ele ficar, aguentar.”

Zambelli garantiu que segue apoiando o governo de Jair Bolsonaro, por sua “total transparência”, e analisou a saída de Moro como algo que “não era necessário, pareceu menino birrento que quis chamar atenção nacional para ele, não combina com o ministro Moro que defendi por tanto tempo”.