Carrefour é desligado da lista de empresas parceiras da Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial

Iniciativa reúne 73 organizações signatárias — entre elas Ambev, Coca-Cola, Grupo Pão de Açúcar e Petrobras

  • Por Jovem Pan
  • 23/11/2020 08h56
Foto: GABRIELA BILó/ESTADÃO CONTEÚDOO desligamento ocorreu após João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, ser espancado e morto em uma unidade do supermercado

A rede de supermercados Carrefour foi desligada da lista de empresas parceiras da Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial. A iniciativa reúne 73 organizações signatárias — entre elas Ambev, Coca-Cola, Grupo Pão de Açúcar e Petrobras. O desligamento ocorreu após João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, ser espancado e morto em uma unidade do supermercado. De acordo com o reitor da Faculdade Zumbi dos Palmares, José Vicente, a reincidência e omissão de responsabilidade do supermercado pesou na decisão do desligamento. “O que nos deixou ainda mais entristecidos e preocupados foi porque a ocorrência em si colocou a conhecimento de todos nós falhas se repetindo no Carrefour já há muito tempo. E, principalmente, a despreocupação e tranquilidade de sempre repassar a responsabilidade aos terceiros.”

Na noite de sexta-feira, 20, o presidente global do Carrefour, Alexandre Bompart, comentou pelo Twitter o assassinato de João Alberto. O francês pediu a revisão do treinamento de funcionários e de terceiros e solicitou que a filial brasileira coopere com as autoridades e a Justiça para solucionar o caso. Por meio de nota, o Grupo Carrefour Brasil anunciou que irá romper o contrato com a empresa de segurança, Grupo Vector, e vai demitir o funcionário responsável pela loja durante o período do assassinato.

Também na sexta-feira à noite, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o Brasil é um país miscigenado, mas não citou a morte do de João Alberto nem o Dia da Consciência Negra. Já o vice-presidente Hamilton Mourão disse que, no Brasil, não existe racismo. O velório e o enterro do corpo de João aconteceu no sábado e foi marcado por pedidos de justiça. O crime contra o homem aconteceu na última quinta-feira, um dia antes da data em que se celebra a Consciência Negra.

*Com informações do repórter Renato Barcellos