Cid Gomes segue internado em UTI de Sobral; ainda não há previsão de transferência

  • Por Jovem Pan
  • 20/02/2020 08h10 - Atualizado em 20/02/2020 08h12
Reprodução cid-gomes-baleado Cid Gomes levou dois tiros no peito durante o protesto dos militares em Sobral

O senador licenciado Cid Gomes, baleado nesta quarta-feira em Sobral, no Ceará, ao participar de um movimento contra a greve dos policiais militares do Estado, continua internado na UTI do Hospital do Coração da cidade. Cid Gomes avançou sobre os policiais encapuzados com uma retroescavadeira. Pouco antes de ser atingido, Cid disse que os policiais e familiares tinham “cinco minutos” para saírem do local.

Em Sobral, há relatos que policiais encapuzados estariam dando ordens para que comerciantes fechem as portas. Alguns estabelecimentos chegaram fechar enquanto os encapuzados rondavam os bairros nas viaturas. Cerca de 261 agentes estão sendo investigados por crimes militares. Três foram presos.

Em Fortaleza, capital do Ceará, o trabalho dos policiais não foi muito afetado pelo movimento grevista. Nas periferias, a diminuição do efetivo já pode ser notada. Em cidades do interior, a greve ainda não tomou grande proporção, o que pode acontecer em reflexo ao evento envolvendo o senador.

O Governador Camilo Santana (PT) e o presidente do Senado Davi Alcolumbre (DEM-AP) solicitaram ao ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, o auxílio da Força Nacional para reforçar a segurança do Estado.

Em seu pronunciamento oficial, divulgado nesta quarta, Santana afirmou que o movimento grevista tem viés político. “Como pano de fundo das ações criminosas, interesses de pequenos grupos que se aproveitam da boa fé da tropa para mentir, ganhar dinheiro, e se projetar politicamente, especialmente em ano de eleição. Preservaremos e valorizaremos sempre os bons policiais, a imensa maioria das tropas, mas aos infratores que violam a lei, realizam motins, a minha recomendação é que sejam submetidos a todas as punições previstas em lei.”

Durante a noite, viaturas da Polícia Rodoviária Federal faziam a segurança da porta do hospital onde Cid Gomes está internado. É válido lembrar que a lei proíbe que agentes da área de segurança pública realizem paralisações.