Maioria das cidades do ABC manterá escolas fechadas até o fim do ano

Os prefeitos de Santo André, Ribeirão Pires, Mauá e Rio Grande da Serra também adotaram a mesma medida

  • Por Jovem Pan
  • 31/07/2020 06h22 - Atualizado em 31/07/2020 09h43
MATEUS BONOMI/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDONa cidade de São Paulo, o Conselho Municipal de Educação estuda uma resolução para dar aos pais o direito de optar por mandar ou não os filhos de volta para a escola

As aulas presenciais na rede municipal do ABC Paulista só devem voltar em 2021. Na quarta-feira, 29, a prefeitura de Mauá já havia tomado a decisão de seguir com o ensino remoto. E na quinta-feira, 30, os prefeitos de Santo André, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra também adotaram a mesma medida. No entanto, a decisão final será tomada apenas na segunda-feira em uma reunião do Consórcio de Municípios da região. Em Rio Grande da Serra, a prefeitura quer que os professores trabalhem em sistema de rodízio, dando aulas à distância nas próprias escolas. Segundo o presidente do Consórcio e prefeito da cidade, Gabriel Maranhão, a escolha foi pela garantia da saúde pública.

Na cidade de São Paulo, o Conselho Municipal de Educação estuda uma resolução para dar aos pais o direito de optar por mandar ou não os filhos de volta para a escola. Na quarta-feira, a Câmara Municipal aprovou as regras para o retorno das aulas, previsto para setembro. Mesmo assim, o prefeito da capital, Bruno Covas, reafirmou na quinta-feira que a reabertura das instituições de ensino vai depender do aval das autoridades de saúde. Enquanto isso, a volta das aulas presenciais também tem sido debatida em outros países. Austrália e Alemanha permitiram que os responsáveis escolhessem se querem ou não o retorno das crianças às salas após o período de quarentena pela Covid-19. Estados americanos também estão consultando as famílias sobre o retorno.

*Com informações da repórter Letícia Santini