Delegado cria canal de ‘contragolpe’ no WhatsApp para ajudar vítimas de estelionato

Espaço virtual de denúncia não substitui realização de boletim de ocorrência e deve servir de base de dados para autoridades

  • Por Jovem Pan
  • 30/12/2021 08h39
Evandro Leal/Estadão Conteúdo Usando máscara para se proteger do coronavírus, homem mexe no celular Vítimas poderão registrar denúncias sobre tentativas de golpe em canal do WhatsApp

A professora aposentada Rosângela Pereira foi vítima de golpe pela internet. Em busca de um empréstimo, ela acabou negociando com bandidos que se passavam por advogados donos de uma empresa de crédito. Eles pediram uma quantia para liberar o dinheiro e depois a chantagearam de posse dos dados pessoais, causando um prejuízo de R$ 217. “Ele tinha um poder de persuasão como se realmente tivesse uma empresa, como se realmente fosse um advogado. A gente se sente desprotegido, literalmente. Por mais que a gente saiba que não pode depositar o dinheiro antes do empréstimo, eu questionei, estou bem ciente dessa lei, mas ele tinha um poder de persuasão muito forte, muito organizado mesmo, né”, recordou. Rosângela ainda pretende fazer boletim de ocorrência, mas já denunciou a situação por meio do canal de WhatsApp “contragolpe”. O especialista Arthur Gomes, que desenvolveu o canal, explica como ele funciona. “As pessoas podem acessar livremente, registrar o golpe. Lá nós catalogamos os principais golpes que a gente vem localizando, mas estamos abertos a novos golpes para que a gente possa abrir o leque. É muito tranquilo, muito simples, via WhatsApp todo mundo tem acesso. Não tenham medo, por favor, registrem o golpe e também façam boletim de ocorrência para que os órgãos oficiais possam em conjunto agir no processo”, pede.

A ideia partiu do delegado de polícia do Distrito Federal, Sérgio Bautzer. Ele conta que observou uma subnotificação de crimes de estelionato tentados e consumados e decidiu criar um banco de dados sobre o assunto. A intenção é futuramente disponibilizar todas as informações com as autoridades responsáveis pelas investigações. “Uma vez que vai estar armezenado no sistema, em uma plataforma criptografada, porque usa a tecnologia do WhatsApp, e a pessoa recebe um protocolo, estou tentando reduzir ao máximo possível e dificultar a vida do estelionatário no Brasil. E lógico, nós vamos compartilhar, assim que o banco estiver rico em dados, vou compartilhar tudo o que eu conseguir com o Ministério Público, com a magistratura, com as polícias civis e federal do país todo”, contou. O número do canal é o (61) 99325.7043, mas a denúncia via WhatsApp não substitui o boletim de ocorrência. Segundo empresas de segurança digital que atuam no Brasil, crimes de estelionato que utilizam as tecnologias vem crescendo. Um levantamento feito em 2021 aponta que neste ano foram cerca de 150 milhões de golpes de fraude eletrônica – caracterizados pela tentativa de adquirir dados pessoais de vários tipos. Outra pesquisa realizada com usuários mostra o aumento dos golpes: enquanto em 2020, 39% dos entrevistados relatavam terem sofrido tentativa de ataque, em 2021 este número subiu para 55%.

*Com informações da repórter Carolina Abelin