‘Depende só de articulação’, diz presidente da comissão especial sobre estados na Reforma

  • Por Jovem Pan
  • 13/06/2019 09h51 - Atualizado em 13/06/2019 10h19
Marcelo Camargo/Agência BrasilMarcelo Ramos também afirmou que a economia promovida pela proposta a ser votada na Comissão Especial pode ser maior que o previsto pelo Planalto

Em entrevista ao Jornal da Manhã nesta quinta (13), o presidente da comissão especial que trata da Reforma da Previdência na Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), disse que “só depende de articulação” a inclusão dos estados e municípios no texto. O relator da PEC no colegiado, Samuel Moreira (PSDB-SP) entrega seu parecer sobre a medida durante a manhã.

“Estados e municípios podem voltar, depende só de articulação daqui em diante”, afirmou. “Os governadores antes adotaram uma postura de enquadrar e constranger a Câmara para isso, o que naturalmente diminuiu a adesão. Uma postura mais colaborativa com o Parlamento pode ajudar”.

Ramos também afirmou que a economia promovida pela proposta a ser votada na Comissão Especial pode ser maior que o previsto pelo Planalto. “Mesmo que nós aprovemos uma redução nos gastos de R$800 bilhões em dez anos, o fato é que a economia vai ser maior do que o governo pediu”, disse. “A proposta da equipe econômica era de R$1 trilhão e 240 milhões, mas já incluído aí o custo de capitalização. Como ela não foi incluída, serão economizados 400 bilhões só no primeiro ano”.

O presidente ainda apontou que o calendário de tramitação da PEC está sendo seguido “sem um dia sequer de atraso” pelos deputados, mas que a votação na comissão especial pode levar tempo. “Não sabemos quantos serão os inscritos, nem quem dará os destaques, então pode levar certo tempo”, previu. “O fato é que quanto mais rápido votarmos, mais rápido ele chega ao plenário”.