Depois da recusa da Itália, porto francês propõe solução para acolher migrantes do navio Aquarius

  • Por Jovem Pan
  • 14/08/2018 08h52
Agência EFEEm junho, o mesmo Aquarius com 630 migrantes a bordo teve sua entrada recusada pelas autoridades italianas

A França discute com outros países europeus uma solução para o navio Aquarius, que transporta 141 migrantes resgatados no mar Mediterrâneo.

Itália e Malta já disseram que não vão acolher a embarcação, mas um porto francês se ofereceu para receber os refugiados.

O navio fretado pelas ONGs SOS Mediterrâneo e Médicos Sem Fronteiras resgatou os migrantes na sexta-feira no caminho entre a Líbia e a costa europeia. Metade da embarcação é menor de idade e mais de um terço são mulheres, vindos principalmente da Somália.

Jean-Claude Gayssot, ex-ministro dos Transportes e diretor do porto na cidade do sul da França disse que a situação é complexa, mas trata-se de vidas humanas e que tudo se torna secundário quando estamos falando de salvar crianças e famílias.

No entanto, Paris não sinalizou até agora se pretende receber os migrantes e preferiu anunciar discussões com os vizinhos europeus e criticar a inflexibilidade do governo italiano.

Roma insiste que não vai abrir seus portos. Em uma mensagem divulgada no Twitter, o ministro italiano do Interior, Matteo Salvini, lembrou que o Aquarius é um navio alemão, fretado por uma ONG francesa, com tripulação estrangeira, atualmente em águas maltesas e que nada justificaria sua entrada na Itália.

Em junho, o mesmo Aquarius com 630 migrantes a bordo teve sua entrada recusada pelas autoridades italianas. O episódio provocou fortes tensões entre Roma e os vizinhos da União Europeia e finalmente as autoridades espanholas decidiram acolher a embarcação.

*Informações do repórter Victor Moraes