Em meio a protestos, Câmara do Chile aprova corte de 50% nos salários de políticos

  • Por Jovem Pan
  • 28/11/2019 07h06 - Atualizado em 28/11/2019 09h44
EFERedução na remuneração vale, inclusive, para o cargo de presidente

A Câmara dos Deputados do Chile aprovou nesta quarta-feira (27), por unanimidade, reduzir em 50% o salário das autoridades mais altas do estado. Isso inclui o presidente, os ministros, subsecretários, governadores e os próprios parlamentares.

A medida é uma resposta do presidente, Sebastián Piñera, que tenta conter os protestos, que acontecem há mais de seis semanas no país. Agora, o projeto deverá ser aprovado pelo Senado.

No mesmo dia, o presidente convocou uma reunião de emergência com ministros na sede do governo. O objetivo do encontro era discutir a violência nas manifestações, que está alcançando níveis que não eram vistos desde o retorno da democracia, em 1990.

Até agora, mais de 20 pessoas morreram e quase três mil ficaram feridas em decorrência dos protestos. Por isso, Piñera pediu urgência na aprovação, no Congresso, dos quatro projetos de sua agenda de segurança para conter a violência.

Apesar dos alertas em relação aos excessos na repressão e do reconhecimento de violações aos diretos humanos, uma das medidas propõe a punição mais rigorosa à desordem pública.

Cúpula do Clima

O Chile sediaria a Cúpula do Clima (COP25) neste ano, mas desistiu logo após o começo dos protestos. A Espanha, então, assumiu o posto.

Mesmo sem sediar o evento e embora seu país ocupe a presidência da reunião, Piñera não participará da cúpula, que será realizada a partir da próxima semana (entre 2 e 13 de dezembro), em Madri.

A confirmação da ausência de Piñera foi feita, nesta quarta-feira (27), pela ministra do Meio Ambiente do Chile, Carolina Schmidt. dezembro.”Piñera não virá para a COP, ele transmitiu a urgência do trabalho no Chile, então ele ficará lá”, disse a ministra chilena.

*Com informações da repórter Letícia Santini e da Agência EFE