Empresário garante que obra no Butantã não é para ‘cassino, bebedeira ou prostituição’

  • Por Jovem Pan
  • 10/10/2019 07h00
ReproduçãoA casa terá 1000 m² no piso superior e 700 m² no inferior, com expectativa de receber 300 pessoas nos eventos

A preocupação de moradores do bairro do Butantã, em São Paulo, em relação a obra que gerou polêmica na região, denunciada pela Jovem Pan no início da semana, gerou reação do empresário responsável pela futura casa noturna “Um Rooftop”.

Clóvis Villas-Bôas Torres garantiu ter uma licença municipal e que espera começar a operar ainda em novembro desse ano. De acordo com ele, boatos na região cogitaram que o espaço poderia ser “um cassino, uma balada de madrugada com bebedeira ou um ambiente de prostituição”.

“A relação com o bairro, eu tenho certeza absoluta, vai ser excepcional. É a antítese disso tudo o que disseram. Será um espaço voltado para atender o público corporativo”, afirmou o empresário.

Localizada entre a Rua Professor Ladislau Peter, Francisco Morato e Avenida Morumbi, o local foi embargado pela Subprefeitura da região e o Ministério Público analisa o caso.

Clóvis ainda afirmou que o ambiente terá proteção acústica adequada, vidros duplos de 25 centímetros e teto com camadas de 70 centímetros. Todas essas medidas serão para impedir a propagação do som.

“Nós temos um conteúdo para receber as grandes companhias oferecendo o que falta em São Paulo. A nossa vida vai ser voltada para atender o mais exigente gosto do corporativo.”

O local abrigava uma agência bancária. A casa terá 1000 m² no piso superior e 700 m² no inferior, com expectativa de receber 300 pessoas nos eventos.

A Prefeitura de São Paulo analisa o processo através da Secretaria de Licenciamento.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos