Enriquecimento de urânio no Irã já supera período anterior ao acordo nuclear, diz Rouhani

  • Por Jovem Pan
  • 17/01/2020 09h11
EFEO acordo foi assinado juntamente com China, Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia e Alemanha em 2015

Enriquecimento de urânio no Irã é maior do que antes do acordo nuclear. A declaração foi dada nesta quinta-feira (17) pelo presidente do país, Hassan Rouhani.

O líder iraniano, no entanto, não explicou se a produção do urânio enriquecido é atualmente superior ao período que antecede o compromisso firmado em 2015. O tratado determinava que o Irã não poderia ultrapassar o limite de 300 quilos de armazenamento de urânio.

O país deveria ter também um enriquecimento máximo de 3,67%. Em troca, seriam suspensas as sanções econômicas ao Irã.

O acordo foi assinado juntamente com China, Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia e Alemanha. Porém, em 2018, o presidente americano Donald Trump abandonou o pacto com a justificativa de que o irã seguia desenvolvendo armas nucleares.

Com isso, Washington retomou as sanções a Teerã. A retomada das restrições americanas fizeram com que o Irã passasse a descumprir pontos do acordo, aumentando atividades nucleares. Alemanha, França e Reino Unido repudiaram a ação.

As tensões entre Irã e Estados Unidos aumentaram após o ataque americano que resultou na morte do general iraniano Qassem Soleimani. Apesar do conflito entre os dois países, o presidente iraniano disse que trabalha diariamente para impedir uma guerra aconteça.

Hassan Rouhani afirmou também que rejeita um novo acordo nuclear, mas que o diálogo entre o Irã e o mundo ainda é possível.

*Com informações do repórter Vinicius Moura