Governo vai retomar reformas para gerar empregos no pós-pandemia, promete Bruno Bianco

Em entrevista ao Jornal da Manhã, secretário especial de Previdência e Trabalho disse que política econômica não vai ‘sair do trilho’

  • Por Jovem Pan
  • 30/06/2020 09h56 - Atualizado em 30/06/2020 09h57
EDU ANDRADE/Ascom/MEEm entrevista ao Jornal da Manhã, Bruno Bianco disse que política econômica não vai 'sair do trilho'

O secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, disse nesta terça-feira (30), em entrevista ao Jornal da Manhã, que o Ministério da Economia pretende retomar as reformas estruturais após a pandemia da Covid-19. A ideia é criar mais postos de trabalho.

“Passada a pandemia, voltamos com todos os nossos objetivos. Não vamos sair do trilho”, prometeu o secretário. “O ministro [da Economia, Paulo Guedes] tem toda a trilha bem feita na sua cabeça.”

Segundo Bianco, o único caminho para o país após a pandemia é criar novos postos de trabalho. “Não há como não gerar oportunidades no fim dessa pandemia, e isso se faz com a redução do custo do emprego”, explicou. “Nós precisamos reduzir o custo do trabalho, precisamos fazer com que pessoas que tenham menos produtividade não sejam tão caras e possam se qualificar no emprego”, continuou o secretário, prometendo “gerar muitos postos de trabalho no pós-pandemia”.

Apesar das promessas de Bruno Bianco, o Brasil perdeu 7,8 milhões de postos de trabalho durante a pandemia, segundo dados do IBGE divulgados hoje. Bianco, no entanto, apontou que o desemprego está desacelerando.

“A gente começa a ver uma retomada da economia, o mercado de trabalho reagindo, novas contratações e redução das demissões”, afirmou. Segundo ele, isso é resultado da política econômica do país. “Todos os frutos que estamos colhendo durante a pandemia são de política econômica bem feita nos últimos meses”, disse.

O secretário ainda comemorou o fato do governo ter economizado na gestão de Jair Bolsonaro. “Nós economizamos muito, mudamos o perfil do gasto no Brasil”, explicou. “Infelizmente fomos surpreendidos por uma pandemia de projeções inimagináveis, mas que bom que tínhamos economizados.”