Especialistas alertam sobre os riscos do excesso de energéticos

Segundo a Associação Brasileira de Supermercados (Abras), o consumo desse tipo de produto subiu mais de 30% no ano passado

  • Por Jovem Pan
  • 31/07/2022 11h26
Pixabay/Herbich lata de energético De acordo com a Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas não Alcoólicas (Abir), o consumo e a produção de energéticos cresceu significativamente no Brasil

Usado para dar mais energia e aumentar a concentração, o energético tem ganhado cada vez mais espaço nas despensas e geladeiras dos brasileiros. Segundo a Associação Brasileira de Supermercados (Abras), o consumo desse tipo de produto subiu mais de 30% no ano passado. De acordo com a Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas não Alcoólicas (Abir), o consumo e a produção deste tipo de bebida cresceu significativamente no Brasil. Em 2010, o número era de 63 milhões de litros por ano. Em 2020, esse dado saltou para 151 milhões. O consumo por habitante está em 300 ml ao ano.

A bebida também é utilizada na elaboração de drinks, porém o uso abusivo de energéticos pode causar danos sérios à saúde, inclusive para o coração, isso porque a bebida tem alguns compostos que aceleram a atividade do organismo, como a cafeína. Para se ter uma ideia da quantidade, uma latinha equivale a 8 xícaras de café. A bebida tem também outros componentes como a taurina, que é um estimulante cerebral que pode desencadear até ansiedade. O médico cardiologista João Vicente da Silveira conta que um dos principais problemas causados é arritmia e que a condição afeta principalmente os jovens.

“O coração acelera muito e ao acelerar muito ele pode desencadear uma arritmia e essa arritmia pode até ser fatal. Os jovens já têm uma frequência cardíaca um pouco mais elevada do que as pessoas mais idosas. Por essa condição, dele ser um pouco mais taquicárdico, essa arritmia pode ser mais prejudicial”, alerta o médico. Além de problemas cardíacos, o consumo excessivo do energético pode acarretar em outros problemas de saúde. Por conter uma grande quantidade de açúcar, as pessoas que abusam da bebida podem desenvolver um quadro de diabetes.

A nutricionista Edvânia Soares lembra ainda que este excesso pode causar problemas neurológicos: “A gente pode entrar em hiperfoco. Quando a gente não tem descanso a gente começa a ficar mais ansioso, mais nervoso, mais irritado. Aí atrapalha o sono e no sono que a gente faz toda a reposição e modulação hormonal. Então, você não tem descanso profundo e isso começa a mexer com a parte neurológica no sentido da pessoa ficar mais emocionalmente descompensada”. Segundo os especialistas, assim como outras bebidas que não fazem bem à saúde, o energético deve ser consumido com moderação. No dia a dia, o recomendado é optar por energéticos naturais, como por exemplo o café e o chá verde.

*Com informações da repórter Camila Yunes