Estado de SP tem feriado marcado por lugares cheios e aglomerações de pessoas

De acordo com pesquisador da Fiocruz, os resultados destas aglomerações devem se traduzir em piora nos números relacionados à Covid-19 daqui a uma semana

  • Por Jovem Pan
  • 07/06/2021 07h25 - Atualizado em 07/06/2021 10h44
ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDODurante todo o feriado prolongado, o comitê de blitz fez 994 dispersões

O domingo de tempo firme levou muitos paulistanos às ruas. Na Avenida Paulista, a movimentação foi intensa. No Parque Ibirapuera, muitas pessoas praticando esportes. As opiniões dos frequentadores divergem. O professor Darlei Suzarte percebeu o local mais cheio do que o normal. “Olha, eu acho que está bem mais cheio do que normalmente. Viajaram o pessoal todo, mas tem bastante gente na rua ainda.” Já a servidora pública Angela Carvalho acha que a cidade ficou mais vazia no feriado prolongado. “Muita gente foi viajar mais para o interior, que não foi tanto como nas outras vezes, nos outros feriados. Mas está mais vazia sim.” O feriado de Corpus Christi havia sido adiantado pela prefeitura de São Paulo, por isso a expectativa era de uma movimentação menor em termos de deslocamentos entre cidade. Mas não foi o que foi registrado.

Segundo a Ecovias, que administra o sistema Anchieta-Imigrantes, que dá acesso ao litoral, desde quarta-feira, 2, até as 11h de domingo haviam descido para as praias 234 mil veículos. O número é superior ao feriado de Corpus Christi de 2020, já em pandemia, quando entre quarta e domingo 151 mil veículos haviam descido para o litoral. Em Santos, uma barreira sanitária montada na entrada da cidade orientava motoristas sobre as medidas restritivas adotadas — como a proibição de permanecer na faixa de areia com guarda-sol e cadeiras. Mesmo assim, houve desrespeito e a fiscalização abordou mais de 700 pessoas que estavam descumprindo protocolos — inclusive, quatro foram multadas em R$ 300 por não estarem usando máscaras. A fiscalização também foi intensificada na região serrana de São Paulo.

Em Campos do Jordão foram interrompidas três festas com mais de 200 pessoas e 25 estabelecimentos foram notificados por aglomeração. Na capital paulista, ainda mais eventos clandestinos: na Mooca, zona leste, o comitê de blitze encerrou uma festa com 235 pessoas das quais 68 não usavam máscaras. Marcelo Gomes, coordenador do Infogripe da Fiocruz, diz que os resultados destas aglomerações devem se traduzir em piora nos números daqui a uma semana. Ele alerta que o agravamento da pandemia já vem sendo registrado em alguns lugares do pais. “Aumentar a nossa exposição, seja interagindo muito mais, fazer mais aglomerações, negligenciar o uso de máscara. Isso tudo facilita a transmissão justamente em um momento que a gente precisa do contrário. Uma mobilização muito forte, tanto por parte da população quanto das autoridades, para diminuir e interromper a transmissão.” Durante todo o feriado prolongado, o comitê de blitz fez 994 dispersões.

*Com informações da repórter Carolina Abelin