Não é hora de falar em impeachment de Bolsonaro, diz Collor

O senador acredita que o Brasil está enfrentando crises semanais e defende que o país precisa de uma reforma política

  • Por Jovem Pan
  • 16/07/2020 10h10 - Atualizado em 16/07/2020 10h12
Antônio Cruz/EBC/FotosPúblicasO ex-presidente lembrou ainda do programa econômico que contemplou confisco da poupança em 1990 e pede desculpas pela ação

O ex-presidente da República, Fernando Collor de Mello, considera que agora não é momento de se discutir o impeachment do atual presidente, Jair Bolsonaro. O senador deu a declaração em entrevista à Jovem Pan na última semana. Collor acredita que o Brasil está enfrentando crises semanais e o país precisa de uma reforma política. O objetivo seria impedir que esses episódios se transformem em um processo como o sofrido pelo ex-presidente em 1992.

O senador considera ainda que a menção ao impeachment está banalizada depois da saída da ex-presidente Dilma Rousseff do cargo, em 2016. Fernando Collor lembra que o Brasil enfrenta uma outra crise, a do coronavírus. “Em meio a essa pandemia, como é que podemos tratar de uma questão política de tamanha importância, de tamanho impacto na sociedade, que é a retirada de um presidente da República, legitimante eleito pelo voto popular, dentro de um período como este que estamos vivendo.”

O ex-presidente lembrou ainda do programa econômico que contemplou confisco da poupança em 1990. Collor voltou a pedir desculpas pela ação. “Se hoje tivesse naquele momento, se ele se repetisse, eu faria qualquer outra coisa, menos isso. Não bloquearia em momento nenhum qualquer tipo de ativo para resolver qualquer problema que fosse”, afirma. O senador afirma que não guarda nenhuma mágoa do irmão Pedro Collor, falecido em 1994.

*Com informações da repórter Patrícia Calderón