Falta de ‘disposição’ das Forças Armadas torna golpe ‘inviável’, diz Temer

Durante evento em São Paulo, o ex-presidente Michel Temer evita falar sobre a carta de Jair Bolsonaro, mas destaca pacificação

  • Por Jovem Pan
  • 15/09/2021 07h38 - Atualizado em 15/09/2021 09h14
EFE/Chema MoyaMichel Temer participou de evento do BTG Pactual e não falou sobre carta ou encontro com o presidente Jair Bolsonaro

Michel Temer descarta disposição das Forças Armadas para golpe no Brasil. O ex-presidente da República condena o ativismo judicial, mas prega harmonia entres os poderes e os limites da constituição. “Chegou-se a dizer que não se devia cumprir decisão disso ou daquilo, isso não é bom para o país, mas eu acho, com toda a franqueza, que as instituições ainda funcionam. E esta funcionalidade é o que está permitindo a sobrevivência da Constituição e impede qualquer espécie de aventura. Falou-se muito no passado: ‘vai ter golpe’. Absolutamente inviável, até porque não vejo desejo. Segundo, não vejo a disposição do Congresso e, convenhamos, pés no chão agora, só tem golpe se  você tiver Forças Armadas dispostas a isso”, argumentou.

Michel Temer criticou também a antecipação do calendário eleitoral. “Eu vejo essas campanhas como se o Brasil tivesse com a economia, enfim, a mil por hora, como se não tivéssemos ainda uma pandemia no país. O que nós temos que fazer neste período de 2021 é unir todos os esforços para o combate à pandemia, porque isso tem afligido os brasileiros”, apontou. O ex-presidente ressalta a criação do Teto de Gastos em seu governo e os efeitos para a estabilidade econômica. “Eu desprezo absolutamente esses rótulos de esquerda e direita. Depois que caiu o Muro de Berlim, não existe mais. O que o povo quer é estabilidade”, afirmou. O político participou de evento do BTG Pactual e não falou sobre carta ou encontro com o presidente Jair Bolsonaro.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos