Fernández flexibiliza confinamento em Buenos Aires apesar do alto nível de infecções

O presidente argentino disse que se sente pressionado pela realidade e que leva em conta os comerciantes que estão com as lojas fechadas e as pessoas que precisam sair para trabalhar para recuperar sua renda

  • Por Jovem Pan
  • 18/07/2020 07h44
Até agora, a Argentina registrou quase 115 mil casos de coronavírus e mais de 2.100 mortes

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, decidiu flexibilizar gradualmente a quarentena em Buenos Aires e na região metropolitana da capital. A partir de segunda-feira, negócios não essenciais, indústrias e certas atividades profissionais poderão retornar.  Os moradores poderão praticar esportes e visitar locais de culto. Ao anunciar a flexibilização, nesta sexta-feira, Fernández declarou que o país está longe de superar a situação do coronavírus, e o risco ainda é “latente”. Ele afirmou que o retorno à vida normal ocorrerá em vários estágios, com o primeiro durando até 2 de agosto.

Alberto Fernández disse que se sente pressionado pela realidade e que leva em conta os comerciantes que estão com as lojas fechadas e as pessoas que precisam sair para trabalhar para recuperar sua renda diária. O presidente da Argentina disse no entanto, que, se for preciso, o governo pode endurecer novamente as medidas.

As medidas de isolamento já haviam sido relaxadas na maior parte do país, mas foram endurecidas no início de julho na Grande Buenos Aires diante do aumento de casos na região. Mais de 90% dos registros de coronavírus no país ocorreram na região metropolitana da capital argentina, onde mora um terço da população. As fronteiras do país permanecem fechadas, embora a proibição de voos comerciais deva vencer em 1º de setembro.

Até agora, a Argentina registrou quase 115 mil casos de coronavírus e mais de 2.100 mortes.

*Com informações do repórter Afonso Marangoni