Fiocruz alerta para ocupação alta de leitos e prevê piora da pandemia no inverno

Segundo boletim da entidade, 18 Estados e o Distrito Federal apresentam taxa de ocupação de leitos de UTI no Sistema Único de Saúde (SUS) superior a 80%

  • Por Jovem Pan
  • 18/06/2021 07h36 - Atualizado em 18/06/2021 10h18
MATEUS BONOMI/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDOCom mais de 496 mil óbitos pela doença, o país vai se aproximando da marca de 500 mil vidas perdidas para o coronavírus

Especialistas alertam para uma possível piora da pandemia com a chegada do inverno. Segundo o boletim do Observatório Covid-19 da Fiocruz o avanço da Covid-19 no país continua crítico e pode piorar com a queda nas temperaturas. Ao todo, 18 Estados e o Distrito Federal apresentam taxa de ocupação de leitos de UTI no Sistema Único de Saúde (SUS) superior a 80%. Em oito Estados, a ocupação é igual ou superior a 90%. A fundação alerta para a tendência de rejuvenescimento da pandemia. No início do ano, a média de idade de pacientes internados era de 62,3 anos, agora é de 52,5 anos. Além disso, 20 Estados têm uma incidência superior a 10 casos de síndrome respiratória aguda grave por 100 mil habitantes, considerada extremamente alta. No boletim, a Fiocruz ressalta ainda a necessidade de manter o distanciamento social e de utilizar a máscara de proteção.

Com a piora da situação, algumas cidades estão apertando as restrições. Araraquara, no interior de São Paulo, vai entrar em lockdown mais uma vez no domingo. Durante uma semana o transporte público será suspenso e a circulação de pessoas restringida. Os supermercados ficarão fechados por 66 horas. O prefeito da cidade, Edinho Silva, diz que a medida foi tomada para evitar o colapso no sistema de saúde. “Há duas formas de se enfrentar uma situação como essa: com a vacinação em massa, criando a barreira imunológica. Enquanto você não tem vacinação em massa, você tem que administrar as contaminações para que o seu sistema de saúde não entre em colapso”, disse. Nesta quinta-feira, o Brasil voltou a registrar mais de duas mil mortes pela Covid-19 em 24 horas. Com mais de 496 mil óbitos pela doença, o país vai se aproximando da marca de 500 mil vidas perdidas para o coronavírus.

*Com informações da repórter Camila Yunes