Fuvest realiza primeira fase com regras de distanciamento no domingo

Alunos que contraíram a Covid-19 a partir do dia 1º de janeiro ou tiveram contato com pessoas contaminadas não devem fazer a prova

  • Por Jovem Pan
  • 09/01/2021 07h15
Sérgio Castro - Estadão ConteúdoOs candidatos terão cinco horas para responder as 90 questões e poderão deixar a sala a partir das 16h

A partir de meio dia deste domingo, 10, os portões de 148 locais de prova em 35 cidades serão abertos para a 1ª fase da Fuvest. Neste ano, os alunos que sonham em estudar na Universidade de São Paulo encontrarão um ambiente atípico. Para não ser adiado mais uma vez por causa da pandemia, o exame precisou se adaptar às novas regras sanitárias. As salas ocuparão apenas 40% da capacidade e os alunos deverão manter distanciamento de um metro e meio uns dos outros, funcionando como espaços de anticontaminação para a Covid-19.

As janelas das salas ficarão abertas para a circulação do vento natural e os aparelhos de ar-condicionado não serão usados. E claro, o uso de máscara por estudantes, aplicadores e fiscais de prova continua sendo obrigatório. Comidas, como bolachas, chocolates e barras de cereal, serão permitidas. Mas os candidatos terão de deixar a sala para se alimentar num espaço reservado sem ganho de tempo adicional. Para amanhã, uma das recomendações mais importantes é que alunos que contraíram a Covid-19 a partir do dia 1º de janeiro ou tiveram contato com pessoas contaminadas não façam o vestibular. A mesma orientação vale para quem está com sintomas da doença.

A diretora-executiva da Fuvest, Belmira Bueno, afirma que não seria possível desenvolver uma prova substitutiva. “As provas da Fuvest demoram meses para serem elaboradas e não haveria a menor condição de existir uma segunda prova. Isso nunca existiu por nenhum outro motivo. É lamentável, a gente não gostaria que fosse assim. Mas não dá para ser. Não é uma escolha nossa, é uma impossibilidade mesmo.” Os candidatos terão cinco horas para responder as 90 questões e poderão deixar a sala a partir das 16h. O diretor do Curso Anglo, Daniel Perry, reforça que para se sair bem, o aluno deve traçar uma estratégia.

“O ideal é começar por uma matéria intermediária. Se tiver difícil, você não fica abalado. Depois, é importante intercalar com humanas e exatas. Se começar por Biologia, poda fazer Matemática, Português, Física, História e assim por diante.” Pouco mais de 130 mil estudantes de todo o país, incluindo treineiros, disputarão as mais de 8 mil vagas disponíveis. Outras 2,9 mil vagas da universidade estão reservadas para o Sisu, sistema de seleção do Ministério da Educação a partir de notas do Enem.

*Com informações da repórter Letícia Santini