Holiday quer cassação de vereador que o chamou de ‘macaco de auditório’

  • Por Jovem Pan
  • 06/09/2019 08h20 - Atualizado em 06/09/2019 10h07
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência BrasilFala foi uma resposta à Holiday, que disse que "vereadores não trabalham"

Após ser chamado de “macaco de auditório” pelo vereador paulistano Camilo Cristófaro, Fernando Holiday (DEM) afirmou que vai pedir a cassação do colega por quebra de decoro. A fala do líder do PSB na Câmara Municipal foi em reação à declaração dada por Holiday no dia anterior, de que “vereadores não trabalham”. Na ocasião, Cristófaro também defendeu que fosse aberto um processo de cassação contra Holiday.

Na fala desta quinta-feira (5) durante a sessão, Cristófaro disse que o integrante do Movimento Brasil Livre (MBL) “traiu a Casa em que ele participa”. “Lamentavelmente o senhor Holiday usa das redes sociais, que ele é o grande macaco de auditório das redes sociais, dando risada dessa casa, explodindo as redes sociais”, disse.

Depois da repercussão, Cristófaro disse que não tem “nada de racismo na fala dele” e que “macaco de auditório é uma expressão popular”.

Em resposta, Holiday afirmou que a postura do colega é “inaceitável” e “racista”. “Chamar alguém de macaco é uma indinidade, de uma repugnância, de uma nojeira tremenda. Algo digno dos piores seres humanos que habitam a face da terra. E tudo isso vindo de um vereador que já agrediu fisicamente uma vereadora, agrediu outro vereador, o ofendeu por conta das suas origens orientais e foi cassado pela Justiça Eleitoral e hoje se mantém no mandato graças a uma liminar de um- ministro do STF

Sobre os pedidos de cassação de mandato, o integrante do MBL fez um desafio à Câmara dos Vereadores. “E tudo isso porque eu disse que existem, na Câmara Municipal, vereadores que não trabalham, algo que a imprensa e a população paulistana já sabem. Agora a pergunta que fica é: a Câmara Municipal prefere cassar um vereador racista ou me caçar por ter dito a verdade?”, questionou.

Holiday anunciou, ainda, que vai entrar na Justiça com um processo contra Cristófaro por danos morais e com uma representação no Ministério Público (MP) pelo crime de injúria racial.

*Com informações do repórter Afonso Marangoni