Instalação artística na Praça Roosevelt, em São Paulo, homenageia vítimas da Covid-19

Memorial vai representar as 38 mil pessoas que faleceram na capital paulista em decorrência da doença

  • Por Jovem Pan
  • 04/10/2021 08h35 - Atualizado em 04/10/2021 10h05
Reprodução / Instagram @lulyvidigalfloresInauguração da homenagem na Praça Roosevelt acontecerá na próxima quarta-feira, 06

A Praça Roosevelt, que fica no centro de São Paulo, se transformou em um memorial às vítimas da Covid-19. Uma instalação artística no local vai homenagear as 38 mil pessoas que faleceram em decorrência da doença na capital paulista. Cada vítima será representada por um catavento. A administradora Andressa de Oliveira, que mora perto do local, diz que o espaço virou um símbolo de respeito e amor. “Achei um gesto bonito, para falar que o amor ainda existe e que as pessoas precisam entender, ser mais unidas, ver que o mundo precisa de amor”, diz.

As vítimas da Covid-19 de outras regiões do do país estão representadas por 60 mil corações pintados em mil metros de muros da praça. A homenagem é realizada pelo Museu de Arte de Rua, pela Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo e Prefeitura. O comerciante José Rodrigues acredita que o jardim de cataventos enfeita a praça com um significado muito importante. “É uma linda homenagem aos mortos da covid-19. É um reconhecimento dos organizadores, a tantas famílias que perderam entes, que estão passando por dificuldades”, comenta José.

Os cataventos foram confeccionados com material reciclado por membros da escola de samba Vai-Vai. As famílias que visitarem o espaço vão receber fitas coloridas que poderão ser amarradas nos enfeites com os nomes das vítimas. O espaço também lembra a população que a pandemia ainda não acabou. “Precisa ver que ainda não passou e é preciso se cuidar, usando máscara e se protegendo”, comenta Andressa. O memorial será encerrado em 2 de novembro, dia de Finados. Nesta data, as pessoas poderão levar para casa o catavento correspondente a uma pessoa que faleceu vítima da Covid-19.

*Com informações da repórter Elisângela Carreira