Maduro ignora piora da crise e volta a atacar ação de Bolsonaro na Amazônia

  • Por Jovem Pan
  • 31/08/2019 08h35
EFE/ Miguel GutiérrezDurante visita a uma gráfica, o chavista disse que os incêndios são provocados pelo presidente brasileiro

O valor do salário-mínimo na Venezuela atingiu o menor patamar da história. Os trabalhadores ganham cerca de US$ 2 dólares, o que equivale a menos de R$ 10 por mês. A quantia não é suficiente para comprar um quilo de carne ou uma caixa de ovos.

Devido a hiperinflação, só no mês passado, o bolívar soberano, moeda oficial do país, perdeu 50% do valor.

Nessa semana, o autoproclamado presidente interino, Juan Guaidó, atribuiu a crise ao regime chavista. Já o ditador Nicolás Maduro responsabilizou a oposição e as sanções dos Estados Unidos pela recessão e pela escassez de alimentos e remédios.

Na quinta-feira (29), Maduro ignorou a piora da crise no país e voltou a atacar a ação do presidente Jair Bolsonaro na Amazônia. Durante visita a uma gráfica, o chavista disse que os incêndios são provocados pelo presidente brasileiro.

Em Porto Velho, capital de Rondônia, o ministro da Defesa, disse que a questão da Amazônia está sendo tratada como prioridade. Na coletiva, Fernando Azevedo e Silva, disse que as queimadas já diminuíram na região.

Ele não especificou qual teria sido a porcentagem de redução, porque, segundo ele, o Governo Federal ainda não compilou os números das ações de combate às queimadas.

*Com informações do repórter Afonso Marangoni