Maia: críticas de Meirelles ao PSDB atrapalham aprovação da reforma da Previdência

  • Por Jovem Pan
  • 05/12/2017 07h52 - Atualizado em 05/12/2017 07h53
Agência BrasilEssa declaração não caiu muito bem aos olhos de Maia: “com todo respeito ao ministro, eu acho que esse embate neste momento não colabora, atrapalha. O PSDB é partido importante”

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, disse nesta segunda-feira que as declarações do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, sobre o PSDB só atrapalham as negociações pra votação da reforma previdenciária.

Em uma entrevista para o jornal Folha de S. Paulo, o ministro tinha dito que o Governo vai ter um candidato à presidência da República no ano que vem e que não vai ser Geraldo Alckmin.

Essa declaração não caiu muito bem aos olhos de Maia: “com todo respeito ao ministro, eu acho que esse embate neste momento não colabora, atrapalha. O PSDB é partido importante”.

A reforma da Previdência é o principal foco do Governo e da base aliada nesse momento.

Tanto o presidente Michel Temer, quanto o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, têm trabalhado nos últimos meses para conseguir os votos suficientes para que a reforma possa ser votada.

Até semana passada, o Governo estava confiante de que a proposta da reforma ia ser votada ainda esse ano, mas nos últimos dias o discurso mudou.

O Governo está com dificuldade em conseguir o número de votos necessário para passar pela votação e agora não tem mais falado mais em prazo, e sim na importância da aprovação.

Nesse domingo, Maia se reuniu com líderes partidários para tratar sobre o assunto.

Nas contas dele, o Governo está quase lá: “eu acho que tem outros partidos que não participaram da reunião, mas vai dar uns 330. Mas alguns foram excluídos da nossa conta. Temos uns 325 votos, e mais de 45 deputados que não estão na oposição e nem na base”.

Ontem, segunda-feira, hoje terça, e amanhã, quarta-feira, os líderes dos partidos que são a favor da reforma da Previdência estão passando as horas articulando com os seus deputados pra garantir o maior número de votos possível.

A corrida é contra o tempo porque o governo tem pressa de votar o quanto antes essa reforma porque deixar para o próximo Governo seria algo ruim, já que mexer na Previdência Social sempre foi um tabu e pode ser uma das coisas mais impopulares de um governo.

Temer tem interesse numa provável chapa Meirelles/Maia, e quer aproveitar o desinteresse numa reeleição para votar a reforma agora.

Só que o próprio Rodrigo Maia evita o assunto.

O Governo tem até a próxima semana como última chance para conseguir votar a reforma da Previdência ainda esse ano.

*Informações do repórter Caio Rocha