Maia diz que condenação de Lula “não é para se comemorar” e aponta “democracia madura”

  • Por Jovem Pan
  • 25/01/2018 07h02
Marcelo Camargo/Agência BrasilSegundo ele, a condenação do petista deixa claro que o Brasil é uma democracia madura onde as instituições funcionam plenamente

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que o dia desta quarta-feira não era de comemoração. Em nota, ele destacou que construiu a carreira política combatendo as teses defendidas pelo ex-presidente Lula e pelo PT.

Porém, para ele, o melhor foro de enfrentamento de teses diferentes na política é na campanha eleitoral.

Pré-candidato a presidente da República pelo DEM, Maia afirmou que respeita o julgamento do TRF4 de Porto Alegre. Segundo ele, a condenação do petista deixa claro que o Brasil é uma democracia madura onde as instituições funcionam plenamente.

Alguns deputados também se manifestaram logo após o fim do julgamento.

Para o líder do DEM na Câmara, deputado Efraim Filho, a Justiça agiu em sintonia com o que defende a sociedade: “o resultado final revela condenação baseada na lei, nos fatos e nas provas de uma Justiça que agiu com base na lei e na imparcialidade”.

Já o deputado Rubens Bueno (PPS) comentou como fica a situação de Lula e do PT nas eleições presidenciais. Na visão dele, o partido fica sem alternativas caso o ex-presidente fique inelegível: “única esperança que resta ao PT é alguém que ficou como vítima de um processo, o que não é verdade. E isso está se desmanchando, e ao se desmanchar vão ficar sem nenhuma alternativa”.

Praticamente todos os deputados do PT, além de outros do PCdoB, compareceram nas manifestações a favor do ex-presidente em São Paulo e Porto Alegre.

No perfil oficial do Twitter, o PT da Câmara repetiu que não há provas para condenar Lula e que o crime cometido pelo ex-presidente foi “reduzir a pobreza”.

*Informações do repórter Levy Guimarães