Mercado de aluguéis na praia começa a se movimentar

Casas de luxo tiveram queda no valor enquanto casas populares tiveram elevação, devido ao aumento da procura

  • Por Jovem Pan
  • 15/11/2021 08h05 - Atualizado em 15/11/2021 12h57
Banco de imagens/PixabayProcura por aluguel de casas de praia aumenta na pandemia da Covid-19

Em razão da pandemia Covid-19, houve uma mudança no perfil dos locatários de casas na praia. Se antes as pessoas alugavam imóveis no litoral por temporada, agora passaram a reservar para o ano todo. Daniela Americano, dona de uma imobiliária litoral sul do Estado de São Paulo, diz que não tem dado conta da demanda nas solicitações para aluguéis no município de Peruíbe. “Muitas das minhas casas que eram de locação, os proprietários alugaram definitivo, então eu fiquei sem casas. A gente não tinha casas para suprir a demanda. A cidade ficou com poucas ofertas de casas para longa temporada, porque muita gente alugou casa para morar em definitivo, trabalhando em casa”, diz.

Uma pesquisa do Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo aponta que, desde 2019, os valores de alugueis de casas, tanto no litoral sul quanto no litoral norte, não têm sofrido grandes oscilações. A menos de um mês e meio para as festas de fim de ano, há poucos imóveis disponíveis no litoral. E quem ainda não alugou, está na lista de espera. José Augusto Vianna Neto, presidente do Conselho Regional de Fiscalização do Profissional Corretor de Imóveis, do Creci-SP, informa que para as casas maiores o preço baixou e para as menores aumentou. “Em alguns casos, os valores se mantiveram. São os imóveis maiores, nós tivemos queda no preço, imóveis reservado a um público de mais alto nível, de poder aquisitivo mais elevado, esses imóveis nós tivemos queda. Os imóveis mais populares, aí, ao contrário, nós tivemos aumento”, afirma.

Viviane é massoterapeuta e moradora de Porto Feliz, no interior de São Paulo. Ela conta que, há mais de 20 anos costuma viajar com toda a família para Peruíbe, no litoral sul, para as festas de fim de ano. No ano passado, para fugir um pouco do estresse da pandemia da Covid-19, a família passou 15 dias do mês de setembro numa casa alugada na praia. Segundo ela, o valor do aluguel foi reajustado, mas o aumento não é considerado exorbitante. “O valor do aluguel subiu, não exageradamente, em compensação ao mercado, farmácia e outras coisas”. O presidente do CRECI-SP alerta para fraudes e golpes na internet comuns nessa época do ano. É importante que os interessados chequem a imobiliária antes de fechar o negócio. Porque, uma vez negócio feito, não há como recuperar o prejuízo.

*Com informações Victor Moraes