Moradores do Jardim Paulistano sofrem com invasão de pernilongos

Com as altas temperaturas registradas nos últimos dias, os mosquitos se multiplicam pelos cômodos das residências

  • Por Jovem Pan
  • 14/09/2020 07h43 - Atualizado em 14/09/2020 08h13
FÁBIO MOTTA/ESTADÃO CONTEÚDOMoradores do Jardim Paulistano organizaram um abaixo-assinado pela internet para cobrar dos responsáveis

Os pernilongos parecem inofensivos, mas estão tirando o sossego dos moradores do Jardim Paulistano — bairro nobre na Zona Oeste de São Paulo. Com as altas temperaturas registradas nos últimos dias, os mosquitos se multiplicam pelos cômodos das residências da região e atormentam quem vive por lá. Tubos de inseticida, pastilhas, repelente elétrico, ventilador: nada parece funcionar na guerra contra os pequenos invasores.

A advogada Adriana Alves Cabral, que mora perto do Rio Pinheiros, diz que a convivência com os pernilongos tem sido um verdadeiro caos. “É nuvem de pernilongo dentro de casa que você escuta eles voando. Não é zunido, você escuta a nuvem toda. É um caos”, disse. A infestação de pernilongos no Jardim Paulistano é uma velha conhecida dos moradores do bairro. A Prefeitura afirma q fez operações na região e que tem aplicado inseticida por toda extensão. Porém, os moradores relatam que até agora o número continua muito alto. “Impraticável para todas as casas da região. Não tem ninguém que possa dizer que está bem. Tem toda uma estrutura para ter uma chance de dormir.”

A Associação de Moradores do Bairro, a Ame Jardins, já protocolou ofícios na subprefeitura de Pinheiros e em outros órgãos responsáveis. A presidente da entidade, Daniela Cerri, alerta para a extensão do problema. “Espalhou por São Paulo inteiro. Itaim, Alto de Pinheiros, os quatro Jardins, Cerqueira César. A impressão é que o pernilongo se espalhou por São Paulo e levando infestação para muitos bairros”, disse. Moradores do Jardim Paulistano também organizaram um abaixo-assinado pela internet para cobrar dos responsáveis atitudes que possam solucionar o problema. Até o fechamento desta reportagem, a petição reuniu mais de 17 mil assinaturas.