Na pandemia, milhões de catadores pelo Brasil ficaram sem renda

Devido ao fechamento dos comércios, boa parte do lixo produzido pelos comerciantes deixaram de existir

  • Por Jovem Pan
  • 19/09/2020 07h58 - Atualizado em 19/09/2020 08h34
Estadão ConteúdoMuitos trabalhadores da categoria passaram a depender de auxílio do governo

Eles são os responsáveis por quase 90% de toda reciclagem no Brasil, de acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Mas a pandemia da Covid-19 teve um efeito devastador em toda a cadeia que envolve o trabalho desses profissionais. Devido ao fechamento de estabelecimentos e o medo da contaminação, milhões de catadores de todo Brasil deixaram de trabalhar e ficaram sem renda. Eduardo trabalha como catador há 30 anos e representa o Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis. Ele conta que a maioria dos colegas de trabalho passaram a depender de auxílio do governo.

De acordo com a Associação Brasileira do Papelão Ondulado, no mês de julho boa parte das cooperativas e catadores de papel retomaram suas atividades. De lá para cá eles trabalham para recuperar os níveis de produção pré-pandemia e atender todas as demandas, mas as consequências ainda podem ser sentidas, uma vez que a redução das matérias-primas gerou alta nos preços.

Pedro é presidente da Associação Nacional dos Aparistas de Papel. A instituição reúne empresas que se dedicam a coletar resíduos sólidos residências e, principalmente, descartados por comércios e coletados por catadores. Ele conta que, devido ao fechamento dos comércios na pandemia, boa parte do lixo produzido pelos comerciantes deixaram de existir — o que naturalmente diminuiu a quantidade e insumos requisitados pelas indústrias que dependem desses  materiais. Ainda segundo Pedro, o desequilíbrio entre oferta e demanda poderá afetar o bolso do brasileiro. Além do papelão, materiais como plástico e o vidro também enfrentam período de escassez.

*Com informações da repórter Caterina Achutti