Novo ministro da Fazenda de Macri promete cumprir acordos; peso sobe

  • Por Jovem Pan
  • 21/08/2019 07h51
EFEMacri recebeu Lacunza após a renúncia de Nicolás Dujovne no último sábado

O novo ministro da Fazenda da Argentina, Hernán Lacunza, garantiu que o país vai cumprir as metas fiscais acordadas com o Fundo Monetário Internacional (FMI). Há quase um ano, o presidente Mauricio Macri pegou um empréstimo de 57 bilhões de dólares com a instituição e, em troca, se comprometeu com um forte ajuste fiscal que foi amplamente criticado pela oposição e por uma parcela do povo argentino.

Um dos principais defensores do acordo, o ex-ministro da Fazenda, Nicolás Dujovne, pediu demissão do cargo no último sábado (17). Depois disso, Lacunza assumiu o cargo em um momento de críticas às políticas econômicas e após uma semana com intensa volatilidade no câmbio.

Na semana passada, em apenas dois dias, a moeda da Argentina passou de 53 pesos por dólar para 60 pesos. Nos últimos dias, no entanto, a variação diminuiu um pouco e o dólar fechou esta terça-feira (20) cotado a quase 55 pesos.

O novo ministro afirmou que, além de honrar o acordo com o FMI, vai estabilizar o câmbio para evitar a redução do poder aquisitivo de famílias de baixa e média renda. Lacunza completou que uma equipe de fiscais do FMI fará uma viagem a Buenos Aires em breve. Segundo o ministro, trata-se de um procedimento de praxe da organização para rever as metas do fundo.

O anúncio da visita ocorre dias depois que o favorito para vencer as eleições de outubro, Alberto Fernández, da chapa com a ex-presidente Cristina Kirchner, afirmar que a Argentina não tem condições de pagar a dívida. Ele classificou o acordo como “nocivo”, mas completou que está disposto a participar de uma renegociação com o Fundo.

A chapa formada por Fernández e Kirchner conseguiu a maioria dos votos nas eleições primárias, realizadas no último dia 11. Os argentinos irão às urnas no dia 27 de outubro para o primeiro turno das eleições gerais.

*Com informações da repórter Nanny Cox