‘Pandemia está sob controle, mas não passou’, avalia secretário municipal de Saúde de SP

O município já tem 320 mil casos confirmados da Covid-19. 

  • Por Jovem Pan
  • 19/09/2020 09h44 - Atualizado em 19/09/2020 09h45
EFE/EPA/ETIENNE LAURENTm novo inquérito vai avaliar se a reabertura do curso regular nas escolas pode acontecer em 3 de novembro

O secretário municipal da Saúde da Cidade de São Paulo, Edson Aparecido, declarou que pandemia está sob-controle, mas ainda não passou — por isso ainda é necessário adotar medidas de distanciamento social e usar máscaras de proteção. “A pandemia é uma doença desconhecida, ela desorganizou as principais economias e sistemas de saúde no mundo. Estamos aprendendo a tratar ela ao longo do tempo. Ela está sob controle, mas não passou. Todo cuidado é importante”, disse. Até o momento o município já tem 320 mil casos confirmados da Covid-19.

Em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, Edson Aparecido lembrou que, na quinta-feira (17), a cidade apresentou o resultado de dois inquéritos sorológicos — um adulto e outro infantil, usado como um dos termômetros para a reabertura das escolas. Das pessoas com mais de 18 anos que pegaram a doença, 40% eram assintomáticas. Entre as crianças, o número se inverte: de todos os infectados, mais de 60% são tiveram nenhum sintoma. “E esse cenário não é só na escola municipal, mas na estadual e privada também”, completou. Por conta desse resultado, o município liberou apenas as aulas extracurriculares e o ensino superior para serem retomados em 7 de outubro. Um novo inquérito vai avaliar se a reabertura do curso regular pode acontecer em 3 de novembro.

Outro dado que chamou a atenção foi que o índice de prevalência da Covid-19 aumentou consideravelmente no centro expandido — as regiões com o IDH mais alto da cidade tiveram alta de 53%. Em bairros com IDH intermediário, subiu 1%; em lugares com IDH baixo, 36%. Para o secretário, isso acontece porque as pessoas que faziam isolamento mais agudo relaxaram as medidas e tiveram contato com o vírus. Entretanto, mesmo diante da alta, não foram identificados impactos significativos no sistema de saúde.