Perícia de celulares do casal Witzel pela PF deve terminar nesta semana

  • Por Jovem Pan
  • 09/06/2020 07h42 - Atualizado em 09/06/2020 07h46
Wilton Junior/Estadão ConteúdoA defesa de Witzel já encaminhou previamente, com posicionamento ao STJ, o que aconteceu na Operação Placebo

Agentes da Polícia Federal no Rio de Janeiro esperam terminar a perícia nos computadores e celulares do casal Helena e Wilson Witzel ainda está semana para, quem sabe, nos próximos dias, iniciar um interrogatório dos dois no âmbito da Operação Placebo, que mirou compras e contratações emergenciais na pandemia da covid-19.

Foram cumpridos, na ocasião, 12 mandados e busca e apreensão e, entre os alvos, estão endereços ligados a dois ex-secretários e ao casal Witzel, como o Palácio das Laranjeiras, a casa do casal no Grajaú e o escritório de advocacia da primeira-dama do Estado.

Segundo fontes do Palácio Guanabara, Helena Witzel anda “cabisbaixa e abatida” dentro do local — mas mantem suas atividades diárias e rotineiras. Ela sempre teve uma atuação bastante firme contundente e permanente no dia a dia, inclusive era uma especie de conselheira do marido na função de governador do Estado do Rio de Janeiro.

A defesa de Witzel já encaminhou previamente, com posicionamento ao STJ, o que aconteceu na Operação Placebo. Os advogados do governador do Estado dizem que o Ministério Público foi “ineficaz e vergonhoso” ao fazer a denúncia ao ministro Benedito Gonçalves.

No entanto, fontes do Guanabara entendem que o calcanhar de Aquiles em toda essa história seria justamente o escritório de advogacia de Helena Witzel, que recebia de empresas, como advogada, que estão sendo investigadas nessas compras e contratações emergenciais.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga