Perícia diz que Maluf não necessita de indulto humanitário por razão médica

Procuradoria defende que o político, em prisão domiciliar desde 2018, retorne para o complexo penitenciário da Papuda, no Distrito Federal; defesa alega quadro compatível com demência evoluindo para Alzheimer

  • Por Jovem Pan
  • 29/06/2021 06h13 - Atualizado em 29/06/2021 08h47
Wilson Dias/Agência BrasilAdvogados de Maluf solicitam que ele receba o indulto, que é o perdão da pena por doenças graves permanentes

Peritos médicos que examinaram o estado de saúde do ex-deputado Paulo Maluf, de 89 anos, concluíram que ele não necessita de indulto humanitário. A perícia foi determinada pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), após divergências entre o Ministério Público Federal e a defesa do ex-prefeito de São Paulo. A procuradoria defende que o político, em regime de prisão domiciliar desde 2018 por razões médicas, retorne para o complexo penitenciário da Papuda, no Distrito Federal. Por outro lado, os advogados de Maluf solicitam que ele receba o indulto, que é o perdão da pena por doenças graves permanentes. A defesa enviou à Justiça um laudo médico alegando que ele sofre de um quadro compatível com demência evoluindo para Alzheimer e que desde uma queda em outubro de 2019, quando sofreu uma fratura do colo do fêmur esquerdo, teve uma piora na locomoção, necessitando de cadeira de rodas. De acordo com os peritos, no entanto, as morbidades apresentadas pelo ex-prefeito não se enquadram no critério médico legal de “doenças graves” e que os prejuízos cognitivos são leves, relacionados à idade. A defesa contestou o laudo da perícia e pediram ao STF uma perícia complementar. Agora, o caso aguarda uma nova decisão do ministro Edson Fachin.

*Com informações da repórter Caterina Achutti