Pesquisas não substituem eleição, diz Covas sobre possível empate técnico em SP

Pesquisa divulgada pela XP/IPESPE nesta quarta-feira, 25, mostra o tucano tecnicamente empatado com Guilherme Boulos no 2º turno das eleições municipais

  • Por Jovem Pan
  • 26/11/2020 10h05 - Atualizado em 26/11/2020 10h37
Roberto Casimiro/Estadão ConteúdoBruno Covas é o atual prefeito de São Paulo

Mesmo com o possível empate técnico com Guilherme Boulos (PSOL), o atual prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), garante que nenhuma estratégia eleitoral será alterada. A declaração de Covas, feita em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, nesta quinta-feira, 26, acontece após uma pesquisa eleitoral, divulgada pela XP/IPESPE na quarta-feira, mostrar que os candidatos estariam tecnicamente empatados na disputa pelo 2º turno das eleições municipais na capital paulista. De acordo com o levantamento, o tucano possui 48% das intenções de voto, enquanto o candidato do PSOL soma 41%, o que constitui um empate técnico, considerando a margem de erro de 3,5% pontos. Bruno Covas afirma que vê com naturalidade o crescimento de Guilherme Boulos nas últimas pesquisas. “A eleição 2º turno em São Paulo é muito polarizada, muito difícil, muito acirrada, mas vemos com muita tranquilidade. Temos uma consolidada intenção de votos nos mais variados setor na cidade de São Paulo. A pesquisa não substitui a eleição. O importante é que as pessoas compareçam [para votação] e a gente aguarde a decisão popular”, afirma, reforçando que a campanha eleitoral continuará focada nas propostas para os próximos quatro anos.

“Não tenho nenhum receio em relação ao que vai acontecer, estou muito confiante, minha preocupação é continuar nessa boa campanha, apresentando ideias e soluções, discutindo a cidade de São Paulo”, reforçou o candidato que, embora dispute a vaga na capital paulista, já se posicionou contrário à reeleição. Bruno Covas pontua que o processo “dificulta a renovação de quadros”. “Como deputado, inclusive, em 2015, teve uma proposta na Câmara e eu votei contra a reeleição. Sou contra a reeleição, mas essa é a regra do jogo. A reeleição dificulta a renovação de quadros, cria mandatos de oito anos com recall no meio. É diferente quando você tem mandatos de quatro anos. Sou contra, mas é a regra do jogo.”

Ao ser questionado sobre as decisões em caso de vitória, o atual prefeito preferiu não antecipar as discussões. “Se reeleito, dia 30 iremos começar a discutir o futuro governo, não vamos antecipar, até porque não tem sentido começar a tratar de um próximo governo antes da decisão da população no domingo”, disse. Mesmo assim, Bruno Covas pontuou que pretende continuar e ampliar as ações adotadas para áreas importantes como educação, saúde pública e e economia. “Vamos conseguir zerar a fila de creches, construir mais de 12 CEUs [Centro Educacional Unificado], continuar a linha de reforçar e valorizar o professor. Vamos ampliar os oito hospitais entregues, mais 16 UPAs, Unidades de Pronto Entendimento, nos próximos quatro anos, continuar o esforço de reduzir as filas de atendimento na cidade de São Paulo, focar na economia criativa que é o grande diferencial da cidade para criar empregos para o jovem da periferia, que é o mais afetado pela pandemia.”

Ainda sobre a situação do coronavírus na capital paulista, o prefeito reforçou que há uma estabilidade da Covid-19 em São Paulo. Embora reconheça que houve um aumento nas internações, atribuído, segundo Covas, a diminuição de leitos de UTI na rede privada, o candidato ressalta que não há previsões para ‘lockdown’ no município. “Desde o início a gente tem focado a nossa atuação lastreada na ciência e nas recomendações da Vigilância Sanitária. Todas as ações são tomadas não por calendário eleitoral, não pro aproximação de partido A ou B, não porque a pesquisa apontou isso ou aquilo. São ações orientadas pela Vigilância Sanitária do município da cidade São Paulo”, afirma. O segundo turno das eleições 2020 acontece neste domingo, 29, na cidade de São Paulo e em outros 56 municípios do país.