PF investiga morte de índios no Maranhão; atentado é o segundo no mês

  • Por Jovem Pan
  • 09/12/2019 06h55
Divulgação/Josoaldo de OliveiraÍndios Guajajara, em protesto, fecharam a BR-228

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, lamentou a morte de dois índios Guajajara em um atentado a tiros no Maranhão. Em uma publicação no Twitter, ele afirmou que a Polícia Federal (PF) já enviou uma equipe ao local para investigar o crime e a motivação do ataque.

Pelas redes sociais, o ministro disse, ainda, que avalia a possibilidade de enviar uma equipe da Força Nacional à região.

No sábado (7), os caciques Firmino Silvino Guajajara e Raimundo Bernice Guajajara morreram e outros dois índios ficaram feridos durante um atentado na BR-226. O local é foco de tensão entre indígenas e madeireiros e fica no município de Jenipapo dos Vieiras, a 500 km de São Luís.

Os feridos foram socorridos e estão sob proteção policial. Um deles, Nico Alfredo Guajajara está em estrado grave. O outro, Nelsi Guajajara, levou um tiro na perna, e não corre risco de morrer.

Minutos após o ataque, ele aparece em um vídeo dizendo que foi surpreendido por um veículo de cor branca que disparou diversas vezes contra a motocicleta em que ele e outro índio Guajajara estavam.

Segundo a Funai (Fundação Nacional do Índio), o grupo foi atacado após um encontro que reuniu lideranças indígenas de diversas aldeias da região. Este é o segundo atentado com mortes de índios em pouco mais de um mês no Maranhão.

Após o ataque, o coronel Nilson Ferreira, que integra a Força-Tarefa de Proteção à Vida Indígena disse que o governo do Maranhão trabalha para dar segurança a população indígena. “O próprio governo do Estado do Maranhão, o secretário e o comandante-geral solicitaram, e nós estamos atendendo, com todos os grupos de operações especiais e as unidades territoriais no Maranhão inteiro para dar garantia de vida e segurança à essa população.”

O secretário adjunto dos Direitos Humanos do Maranhão, Jonata Galvão, espera que os responsáveis pelos homicídios sejam punidos. “Viemos averiguar a situação e dar todo o suporte necessário a fim de que tenha uma investigação, a fim de que as pessoas que praticaram esses homicídio sejam responsabilizadas e a fim de ouvir as demandas das comunidades indígenas locais e trabalhar quais são as perspectivas que o governo do Estado pode atuar”, afirmou.

Em protesto, os índios Guajajara bloquearam a BR-226. Na noite de domingo (8), a secretaria de Direitos Humanos do estado informou que, após reunião, as lideranças indígenas decidiram liberar, com apoio da polícia, a rodovia.

A secretaria também disse que o governo do Maranhão vai propor aos órgãos federais a criação de um comitê intersetorial para monitoramento da BR afim de garantir a segurança no território indígena.

*Com informações do repórter Afonso Marangoni