PGR abre investigação preliminar sobre suposta ‘rachadinha’ de Alcolumbre

Primeira testemunha poderá ser ouvida na próxima sexta-feira; Caso a procuradoria encontre indícios do cometimento de ilícitos penais poderá pedir a abertura de um inquérito no STF

  • Por Jovem Pan
  • 15/12/2021 06h45 - Atualizado em 15/12/2021 07h07
MATEUS BONOMI/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO - 16/09/2020 De máscara, o senador Davi Alcolumbre ajeita a gravata e olha para a sua esquerda Alcolumbre é suspeito de desviar cerca de R$ 2 milhões por meio do esquema de rachadinhas no seu gabinete no Senado

A Procuradoria-geral da República (PGR) informou na última terça-feira, 14, ao Supremo Tribunal Federal (STF) a abertura de apuração preliminar de análise do suposto esquema de rachadinha envolvendo o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP). A informação encaminhada ao STF pela subprocura-geral da República, Lindôra Araújo. Alcolumbre é suspeito de desviar cerca de R$ 2 milhões por meio do esquema. Pelo menos seis pessoas foram contratadas para trabalhar como assessoras no gabinete do parlamentar, mas nunca foram ao Senado Federal. As denúncias foram reveladas pela revista Veja. Na próxima sexta-feira, 10, a PGR vai ouvir o depoimento de uma possível testemunha no caso, Paulo Boldes, que é servidor do Senado e ex-chefe de gabinete de Davi Alcolumbre. Caso a PGR encontre indícios do cometimento de ilícitos penais por parte do senador poderá pedir a abertura de um inquérito para apurar o caso no Supremo. A manifestação da PGR foi anexada aos autos de uma notícia crime protocolada no STF pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-RS). A advocacia do Senado afirmou que o próprio senador Davi Alcolumbre pediu a abertura de um procedimento interno para apurar a veracidade dos fatos.

*Com informações da repórter Iasmin Costa