Postura de Doria sobre Paraisópolis foi ‘equilibrada’, diz presidente do PSDB-SP

  • Por Jovem Pan
  • 17/12/2019 06h50
Jovem PanVinholi afirmou que a presença do Estado é necessária nas comunidades

O presidente do PSDB de São Paulo, Marco Vinholi, afirmou que o governador João Doria (PSDB) teve uma postura “equilibrada” em relação à tragédia que ocorreu em Paraisópolis. O político, que também é secretário estadual de desenvolvimento regional, participou, nesta segunda-feira (16), do programa Morning Show, da Jovem Pan.

Nove pessoas morreram pisoteadas no local depois de uma ação da polícia militar, no dia 1º de dezembro. Segundo Vinholi, Doria precisou atender, de um lado, a família das vítimas e, de outro, a Polícia Militar (PM).

“O governador João Doria teve uma postura de equilíbrio. Por um lado atender as famílias, são nove famílias que perdem pessoas com essa fatalidade, do outro lado confiar na polícia que tem”, avaliou o presidente do partido.

No dia seguinte à tragédia em Paraisópolis, Doria havia afirmado que as mortes não tinham sido provocadas pela Polícia Militar e sim por bandidos que invadiram o local. Pouco tempo depois, porém, ele anunciou que iria rever os protocolos da PM e afastou 32 policiais envolvidos na ação.

A decisão foi criticada pelo senador Major Olimpio (PSL-SP), que definiu Doria como o pior dos governantes para os policiais. Sobre a crítica de Olímpio, feita ao Morning Show na última sexta-feira (13), Vinholi disse que a manifestação do parlamentar é um desserviço.

“Que o Major Olímpio, depois de se aposentar com 44 anos de idade, de receber R$ 55 mil por mês referente à essa aposentadoria, vir para a imprensa dia após dia para atacar a segurança pública do Estado, ele tem feito um desserviço para o Estado de São Paulo e eu acho que a população que está nos ouvindo não quer saber de oportunismo em um momento como esse que estamos passando”, declarou.

Vinholi disse, ainda, que a presença do Estado é necessária nas comunidades porque as facções criminosas estão presentes nos pancadões. Ele afirmou que o governo de São Paulo já está preparando um projeto para essa demanda.

*Com informações da repórter Nicole Fusco